Terrorista morto queria ir às Olímpiadas pelos EUA

Um dos suspeitos do atentado à bomba no final da maratona de Boston na passada segunda-feira era pugilista amador e, segundo a edição online do jornal desportivo As queria competir pelos Estados Unidos em provas olímpicas.

Tamerlan Tsarnaev, um dos dois suspeitos do ataque à bomba no final da maratona de Boston, era um pugilista amador que tinha como objetivo, caso a Chechénia não se tornasse independente, representar os Estados Unidos em competições olímpicas da sua modalidade.

Tsarnaev, de 26 anos, deixou a Chechénia nos anos 90 com a família, tendo procurado refúgio no Casaquistão, antes de conseguirem entrar nos Estados Unidos como refugiados, em 2000, segundo algumas fontes.

O grande objetivo da atualidade para Tsarnaev, refere o As assim como outros órgãos online, entre os quais a revista Slate, era conseguir "ganhar o número suficiente de combates" para ser "selecionado para a equipa olímpica dos EUA e obter a cidadania americana". O jovem preferia "competir pelos EUA do que pela Rússia", caso a Chechénia, onde existe um movimento independentista de raiz islamita, não conseguisse quebrar a tutela de Moscovo.

Tamerlan, nome de um dos grandes conquistadores da Ásia Central na segunda metade do século XIV, definia-se como um muçulmano convicto, que não bebia nem fumava e que não tinha "nenhum amigo americano". O jovem, que desejava tornar-se engenheiro, disse em 2010 não conseguir compreender os seus colegas americanos.

O jovem de origem chechena, inscrito num clube chamado Team Lowell e que treinava desde 2004, era detentor de um troféu de pesos pesados, o Rocky Marciano Trophy.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG