Primeiro caso suspeito de ébola no Brasil

O ébola já provocou mais de 3.865 mortes entre os 8.033 casos conhecidos na África Ocidental, segundo a Organização Mundial de Saúde.

O Ministério da Saúde brasileiro confirmou que um homem foi internado numa unidade hospitalar da cidade de Cascavel, no estado do Paraná, por suspeita de ter contraído o vírus ébola, informou hoje a imprensa brasileira.

De acordo com o sítio eletrónico de notícias G1, o ministério da Saúde, num comunicado de quinta-feira à noite, referiu que o homem de 47 anos chegou ao Brasil vindo de Guiné-Conacri, um dos países mais afetados pela epidemia.

O homem, que está isolado na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) II, em Cascavel, estava subfebril e sem hemorragia ou outros sintomas da doença.

De acordo com o ministério da Saúde, o paciente está no 21.º dia da possível infeção, o prazo máximo para a incubação da doença, pelo que todos os protocolos internacionais estão a ser aplicados, para evitar uma proliferação, caso seja confirmada.

A secretaria de Saúde do Paraná informou que já mandou uma equipa para avaliar o caso e a situação do paciente. Os profissionais devem chegar hoje pela manhã à cidade de Cascavel.

A Força Aérea Brasileira vai ajudar na transferência do paciente, que será levado, provavelmente hoje, para o Rio de Janeiro, numa avião da Polícia Rodoviária Federal.

O paciente será transferido para o Hospital Evandro Chagas.

O Ébola já provocou mais de 3.865 mortes entre os 8.033 casos conhecidos na África Ocidental, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Este é o pior surto registado da doença, que foi detetada no início do ano, com o maior número de infetados e mortes.

O Ébola é um vírus que foi identificado pela primeira vez em 1976. Não existe vacina, nem tratamentos específicos e a taxa de mortalidade situa-se entre os 25 e os 90 por cento.

A infeção resulta do contacto direto com líquidos orgânicos de doentes - como sangue, urina, fezes ou sémen. O período de incubação da doença pode durar até três semanas.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.