México sinaliza mais de 22 mil pessoas desaparecidas

O Governo mexicano apresentou, na quinta-feira, uma lista atualizada das pessoas desaparecidas, sinalizando 22.322 casos, 44% dos quais ocorridos durante o mandato do Presidente Enrique Peña Nieto.

A subprocuradora Jurídica e dos Assuntos Internacionais da Procuradoria-Geral da República (PGR), Mariana Benítez, disse em conferência de imprensa que a atual Administração recebeu do anterior governo, a 30 de novembro de 2012, uma base de dados com um total de 26.121 casos.

Mariana Benítez explicou que essa base de dados foi atualizada e o número foi elevado a 29.707 desaparecidos. Até 31 de julho de 2014 tinham sido localizadas 17.175 dessas pessoas, 16.274 das quais vivas, mantendo-se as buscas por 12.532 indivíduos, detalhou.

A estas somam-se 9.790 casos registados durante o Governo atual, iniciado a 01 de dezembro de 2012, para 22.322.

O Congresso mexicano, aprovou em março de 2012, uma proposta obrigando o Governo federal a abrir uma base eletrónica de dados de pessoas desaparecidas, de forma a dar seguimento às denúncias.

A iniciativa surgiu no quadro da luta governamental contra o crime organizado.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.