Maduro enfrenta protestos em bastião do chavismo

Residentes do populoso bairro de Caracas '23 de Enero' realizaram, na noite de quinta-feira, pela primeira vez um ruidoso protesto, batendo tachos para contestar a falta de energia elétrica naquela localidade há mais de 24 horas.

Os protestos que se ouviram durante mais de uma hora estenderam-se depois ao vizinho e também populoso bairro pobre de Cátia, a oeste da cidade capital da Venezuela.

Situado nas proximidades do centro de Caracas, o bairro "23 de Enero", que deve o seu nome à data da queda da ditadura de Marcos Pérez Jiménez, a 23 de janeiro de 1958, é considerado um bastião do 'chavismo', albergando importantes grupos de cidadãos que apoiam a revolução bolivariana.

Ali se situa também o "Quartel da Montanha", onde repousam os restos mortais do líder socialista Hugo Chávez (1954-2013).

Foi também no bairro "23 de Enero" que, em fevereiro de 1989, ocorreram as primeiras manifestações violentas contra um pacote de medidas económicas implementadas pelo então Presidente venezuelano Carlos Andrés Pérez (1922-2010).

Conhecidos como "El Caracazo" estes violentos protestos expandiram-se por várias cidades, resultando em várias centenas de mortos.

Na Venezuela são cada vez mais frequentes os protestos devido ao mau funcionamento de serviços básicos, à crise económica, inflação, escassez de produtos, insegurança, corrupção, alegada ingerência cubana e repressão por parte de organismos de segurança do Estado.

FPG // DM.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG