Juiz ordena divulgação de vídeos de alimentação forçada

Um juiz federal de Washington ordenou na sexta-feira a divulgação de 28 vídeos classificados que mostram o procedimento de alimentação forçada em Guantánamo, apesar da oposição do governo norte-americano.

Dois dias antes de uma audiência-chave no processo sobre alimentação forçada, através de sondas, dos prisioneiros de Guatánamo em greve de fome, a juíza Gladys Kessler decidiu a favor de 16 órgãos de comunicação social que exigiam a divulgação dos 28 vídeos.

Estes vídeos mostram o sírio Abou Dhiab a ser algemado e conduzido à zona de alimentação forçada, onde lhe são introduzidas sondas pelo nariz e alimentado à força, segundo explicou à AFP um dos advogados que visionou as imagens.

Abou Dhiab, um sírio preso sem acusação ou julgamento desde 2002, apresentou uma queixa e exigiu o fim da alimentação forçada, que julga desumana. O julgamento deverá avançar esta segunda-feira.

A juíza deu razão aos 16 órgãos de comunicação social que exigiam ter acesso às imagens, contrariando assim o governo de Barack Obama que considerava que a divulgação dos vídeos poderia prejudicar a segurança nacional.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.