Vírus mata duas pessoas no parque de Yosemite

A morte de dois turistas afetados pelo Síndrome Pulmonar por Hantavírus (SPH) no Parque Nacional de Yosemite, levou as autoridades de saúde americanas a avisarem as cerca das três mil pessoas que permaneceram numa dada zona do parque entre meados de junho e de agosto.

Quase cem cabanas de madeira numa das zonas do parque de Yosemite, conhecida como Curry Village, foram encerradas e impostas restrições à circulação de pessoas no espaço daquele que é um dos grandes pólos de atração turística da Califórnia, visitado anualmente por cerca de quatro milhões de pessoas.

A medida foi tomada depois de terem morrido duas das seis pessoas que visitarem o parque até agora diagnosticadas com síndrome pulmonar por hantavírus (SPH). A doença transmite-se por inalação de partículas aéreas ou por contacto físico com saliva, urina ou fezes de roedores; o seu período de incubação pode ir até seis semanas. A SPH é considerada uma infeção rara, de alto risco e que deve ser acompanhada em termos médicos desde o início. A infeção não se transmite por contacto entre humanos.

Segundo a ABC News, após a primeira morte verificada na passada semana, a direção do parque procedeu a uma descontaminação das cabanas, mas só com a segunda morte, sucedida na terça-feira, é que o caso assumiu contornos de saúde pública.

As quatro restantes vítimas encontram-se hospitalizadas e a sua situação é considerada estável.

Foram enviadas notificações aos turistas que passaram pelo campo entre meados de junho e de agosto e as autoridades procuram determinar quantos eram estrangeiros, onde se encontram os visitantes americanos e se alguns saíram do país.

A direção do parque nota que este é um ambiente natural e selvagem, em que devem ser tomadas certas precauções, como a proteção adequada dos alimentos ou evitarem levantar poeira - já que o vírus se transmite também por via aérea.

Os responsáveis de Yosemite reconheceram que o presente surto "é sem precedentes". Caso de SPH verificaram-se em visitantes do parque em 2000 e 2010, nos dois casos sem vítimas mortais.

O vírus foi identifcado nos anos 70 do século na região do rio Hantan, na Coreia do Sul. Segundo a AFP, um primeiro surto ocorreu nos EUA em 1993. Desde então foram diagnosticados 587 casos; destes, um terço das vítimas acabou por morrer.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.