Vírus mata duas pessoas no parque de Yosemite

A morte de dois turistas afetados pelo Síndrome Pulmonar por Hantavírus (SPH) no Parque Nacional de Yosemite, levou as autoridades de saúde americanas a avisarem as cerca das três mil pessoas que permaneceram numa dada zona do parque entre meados de junho e de agosto.

Quase cem cabanas de madeira numa das zonas do parque de Yosemite, conhecida como Curry Village, foram encerradas e impostas restrições à circulação de pessoas no espaço daquele que é um dos grandes pólos de atração turística da Califórnia, visitado anualmente por cerca de quatro milhões de pessoas.

A medida foi tomada depois de terem morrido duas das seis pessoas que visitarem o parque até agora diagnosticadas com síndrome pulmonar por hantavírus (SPH). A doença transmite-se por inalação de partículas aéreas ou por contacto físico com saliva, urina ou fezes de roedores; o seu período de incubação pode ir até seis semanas. A SPH é considerada uma infeção rara, de alto risco e que deve ser acompanhada em termos médicos desde o início. A infeção não se transmite por contacto entre humanos.

Segundo a ABC News, após a primeira morte verificada na passada semana, a direção do parque procedeu a uma descontaminação das cabanas, mas só com a segunda morte, sucedida na terça-feira, é que o caso assumiu contornos de saúde pública.

As quatro restantes vítimas encontram-se hospitalizadas e a sua situação é considerada estável.

Foram enviadas notificações aos turistas que passaram pelo campo entre meados de junho e de agosto e as autoridades procuram determinar quantos eram estrangeiros, onde se encontram os visitantes americanos e se alguns saíram do país.

A direção do parque nota que este é um ambiente natural e selvagem, em que devem ser tomadas certas precauções, como a proteção adequada dos alimentos ou evitarem levantar poeira - já que o vírus se transmite também por via aérea.

Os responsáveis de Yosemite reconheceram que o presente surto "é sem precedentes". Caso de SPH verificaram-se em visitantes do parque em 2000 e 2010, nos dois casos sem vítimas mortais.

O vírus foi identifcado nos anos 70 do século na região do rio Hantan, na Coreia do Sul. Segundo a AFP, um primeiro surto ocorreu nos EUA em 1993. Desde então foram diagnosticados 587 casos; destes, um terço das vítimas acabou por morrer.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.