Venezuelanos podem escrever com letra igual à de Chávez

Para assinar o 60.º aniversário do nascimento de Hugo Chávez, um desenhador venezuelano criou a fonte tipográfica 'ChávezPro', que permite aos utilizadores de computadores escrever com a letra do falecido líder socialista.

A iniciativa partiu do desenhador Marcelo Volpe, sob a conceção de um "presente" com o qual procura "eternizar o legado, ideais e presença espiritual" do fundador da Revolução Bolivariana e do socialismo venezuelano do século XXI.

O arquivo pode ser descarregado a partir do endereço eletrónico www.trincheracreativa.com e uma vez instalada a fonte integra-se nos menus dos diferentes processadores de texto como uma opção, uma alternativa aos estilos tradicionais Times New Roman, Arial ou Courier.

Segundo o autor, para criar a fonte foi necessário fazer uma investigação sobre a escrita do falecido presidente, porque "há letras que ele não escrevia sempre de maneira igual".

A nova letra, explicou, permitirá a qualquer usuário escrever, tal como escrevia Hugo Chávez, as mensagens do falecido socialista, que são frequentemente usadas com fins publicitários, em bonés, t-shirts e chaveiros.

Hugo Rafael Chávez Frías, nasceu em Sabaneta de Barinas, Venezuela, a 28 de julho de 1954 e faleceu em Caracas a 5 de março de 2013.

Comandante do Exército e crítico férreo dos Estados Unidos, presidiu, entre 1999 e 2013 os destinos da Venezuela, centrando o seu Governo na implementação da Revolução Bolivariana e no socialismo do século XXI.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.