Venezuela vai ter presidenciais submetidas a auditoria

O Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela (CNE) anunciou hoje que vai auditar as eleições presidenciais do passado dia 14, mas que não incluirá as exigências do antigo candidato da oposição, Henrique Capriles.

A presidente do CNE, Tibisay Lucena, afirmou, numa mensagem que foi transmitida pela rádio e televisão venezuelana que a equipa de Henrique Capriles pediu "revisões impraticáveis".

Tibisay Lucena afirmou que será feita uma "ampliação da auditoria" a 46 % dos votos que não foram auditados no dia das eleições, num processo que arranca no próximo dia 06 de maio e terminará a 04 de junho.

"Gostaríamos de recordar o que inclui esta auditoria. A Lei Orgânica dos Processos Eleitorais indica que a verificação se efetuará mediante a revisão dos comprovativos de votação em relação aos dados constantes exclusivamente da ata de votação elaborada pelos membros da mesa", explicou.

A especificação por parte do CNE deixa de fora o pedido de Capriles que pretendia incluir na auditoria os cadernos eleitorais em que aparecem as assinaturas dos eleitores, ao lado das suas impressões digitais, onde, assegura, se encontram irregularidades que deram como Nicolás Maduro como vencedor das eleições.

Lucena apontou ainda que se visa "verificar o bom funcionamento da máquina" de votação, bem como comprovar a correspondência entre o comprovativo do voto e ata emitida pela máquina.

Neste sentido, reiterou, que não se trata de uma recontagem e que "nenhum motivo afetará os resultados eleitorais emitidos pelo poder eleitoral na noite de 14 de abril".

Também indicou, segundo a Efe, que o documento que a equipa de Capriles fez chegar ao CNE, no dia 17, solicitando a auditoria "constitui por si próprio uma tentativa de impugnação", assinalando que o ex-candidato tem o "legítimo direito" de requerer esse procedimento junto do Supremo Tribunal de Justiça.

O CNE aceitou realizar a auditoria a 46 % dos votos não auditados no dia das eleições, o que inicialmente Capriles aprovou. Contudo, na quinta-feira, contestou o processo por não incluir a revisão dos cadernos eleitorais.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.