Vale de Almeida salienta importância de anúncio de Obama

O embaixador da União Europeia nos Estados Unidos, João Vale de Almeida, salientou hoje, num comentário enviado à Lusa, a "importância económica e política do futuro acordo entre os dois principais blocos comerciais do mundo", anunciado por Barack Obama.

Perante as duas câmaras do Congresso, no discurso anual sobre o Estado da União, o Presidente norte-americano Barack Obama disse na terça-feira que os Estados Unidos e a Europa vão iniciar conversações sobre aquela que será a maior zona de comércio livre a nível mundial.

"Como certamente o fará mais tarde e com maior autoridade ainda o Presidente da Comissão Europeia que tem sido o seu maior promotor, em cooperação direta com o Presidente Obama, quero salientar a importância económica e política deste futuro acordo entre os dois principais blocos comerciais do mundo", disse à Lusa o embaixador, num comentário enviado por correio eletrónico.

João Vale de Almeida sustentou que "quando concluído, este acordo possibilitará a criação de um mercado de 800 milhões de consumidores, promoverá o crescimento económico e o emprego sem criar défice nem dívida e reforçará a capacidade de europeus e americanos determinarem a governação económica global".

"Temos pela frente uma negociação difícil e dura, mas temos também uma oportunidade histórica. Como embaixador da União Europeia não posso deixar de me regozijar pela boa preparação deste dossiê no último ano e pelas perspetivas que se abrem para os próximos meses", acrescentou.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.