Vale de Almeida salienta importância de anúncio de Obama

O embaixador da União Europeia nos Estados Unidos, João Vale de Almeida, salientou hoje, num comentário enviado à Lusa, a "importância económica e política do futuro acordo entre os dois principais blocos comerciais do mundo", anunciado por Barack Obama.

Perante as duas câmaras do Congresso, no discurso anual sobre o Estado da União, o Presidente norte-americano Barack Obama disse na terça-feira que os Estados Unidos e a Europa vão iniciar conversações sobre aquela que será a maior zona de comércio livre a nível mundial.

"Como certamente o fará mais tarde e com maior autoridade ainda o Presidente da Comissão Europeia que tem sido o seu maior promotor, em cooperação direta com o Presidente Obama, quero salientar a importância económica e política deste futuro acordo entre os dois principais blocos comerciais do mundo", disse à Lusa o embaixador, num comentário enviado por correio eletrónico.

João Vale de Almeida sustentou que "quando concluído, este acordo possibilitará a criação de um mercado de 800 milhões de consumidores, promoverá o crescimento económico e o emprego sem criar défice nem dívida e reforçará a capacidade de europeus e americanos determinarem a governação económica global".

"Temos pela frente uma negociação difícil e dura, mas temos também uma oportunidade histórica. Como embaixador da União Europeia não posso deixar de me regozijar pela boa preparação deste dossiê no último ano e pelas perspetivas que se abrem para os próximos meses", acrescentou.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.