Um morto e sete feridos em atentado atribuído às FARC

Pelo menos uma pessoa morreu e sete ficaram feridas num atentado com explosivos no município de Pradera (sudoeste da Colômbia) atribuído pelas autoridades à guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

De acordo com fontes polícias citadas pela agência noticiosa Efe, um motociclo com explosivos foi ativado ao início da manhã perto da esquadra da polícia e da câmara municipal Pradera, departamento de Valle de Cauca, nos arredores da cidade de Cali.

Um porta-voz da polícia local confirmou que a explosão, de imediato atribuída às FARC, provocou a morte de um civil e sete feridos. No entanto, 'media' locais asseguraram que um agente da polícia também foi morto no ataque, e referiram-se a 39 feridos.

Responsáveis do Centro de Recursos para a Análise de Conflitos (CERAC) consideraram que os autores do atentado integram uma das unidades rebeldes que contestam as atuais conversações de paz entre a guerrilha e as autoridades de Bogotá.

O atentado ocorreu um dia após a guerrilha ter anunciado o fim do cessar-fogo unilateral, declarado em 15 de dezembro por ocasião da época natalícia.

De acordo com diversos centros de investigação colombianos, as FARC violaram entre três a 15 vezes a trégua unilateral de um mês (15 de dezembro a 15 de janeiro), mas foi registada uma diminuição da violência em 65%.

A Fundação Paz e Reconciliação, que também monitoriza o conflito armado na Colômbia, que se arrasta há 50 anos, assinalou por sua vez que as FARC cumpriram em 95% o cessar-fogo unilateral, apesar de o Governo ter recusado suspender as suas ações militares.

Em Havana, onde decorre o diálogo de paz entre representantes da guerrilha e do Governo colombiano, as FARC anunciaram que o cessar-fogo unilateral de um mês foi cumprido "de forma cabal" e atribuíram os escassos incidentes armados a "ações de legítima defesa".

Exclusivos