Trinta desaparecidos após incêndio em lar de idosos

A Polícia do Quebeque informou que trinta pessoas continuam desaparecidas após um incêndio, na madrugada de quinta-feira, num lar de idosos na localidade de L'Isle-Verte, em que morreram três pessoas.

O porta-voz da Polícia do Quebeque, Guy Lapointe, disse, numa conferência de imprensa, que as operações de resgate das possíveis vítimas estão a ser dificultadas pelas baixas temperaturas, que levaram a que os restos do edifício estejam totalmente congelados pela água usada no combate às chamas.

O incêndio começou às 00:30 (05:30 em Lisboa), quando as temperaturas eram de 19 graus negativos, num lar que albergava entre 50 e 60 idosos, metade dos quais com mais de 85 anos.

As baixas temperaturas estão a obrigar as equipas de resgate a trabalhar em turnos de uma hora.

O porta-voz da polícia escusou-se a especular sobre as possíveis causas do incêndio ou sobre se as 30 pessoas desaparecidas foram dadas como mortas.

Confirmou apenas que vinte pessoas foram resgatadas da residência nos primeiros momentos do incêndio e que dez sobreviventes e dois polícias foram hospitalizados.

Os meios de comunicação local dizem que o lar de idosos foi ampliado em 2002, mas a parte antiga do edifício, que ficou completamente destruída pelo incêndio, não tinha sistema anti-incêndios.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.