Tesouro de galeão naufragado vai ser entregue a Espanha

A transferência de um tesouro com 17 toneladas retirado de um galeão espanhol que naufragou no século XIX vai ser realizada ainda esta semana a partir da base da Força Aérea dos Estados Unidos, na Florida, confirmaram ontem as autoridades norte-americanas.

Ontem já partiram para os Estados Unidos dois aviões C-130 militares espanhóis a fim de recolher uma carga de 594 mil moedas de ouro e prata, retiradas de um galeão espanhol que naufragou no século XIX, informou o Ministério da Defesa de Espanha.

O tesouro foi descoberto em maio de 2007 junto à costa portuguesa mas, por decisão de um tribunal dos Estados Unidos, a empresa Odyssey Marine Exploration, que o retirou do fundo do mar, terá de devolver o tesouro a Espanha.

"A Força Aérea dos Estados Unidos tem um excelente relacionamento com a Força Aérea espanhola e estamos a trabalhar juntos para garantir uma missão segura", revelaram em comunicado as autoridades norte-americanas.

Os investigadores calculam que o tesouro pertença ao galeão Nuestra Senora de las Mercedes afundado em 1804 por navios de guerra birtânicos quando regressava da América do Sul. Mais de 200 pessoas estavam a bordo do galeão afundado. A carga de moedas - cunhadas no Peru em 1796 - pesava cerca de 17 toneladas. Atualmente, o seu valor atinge mais de 350 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.