Presidente dos EUA apelou à erradicação da pobreza

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, apresentou terça-feira a meta de erradicar a pobreza extrema no mundo nas próximas duas décadas e comprometeu-se a trabalhar para cumprir o objetivo, durante o discurso anual sobre o Estado da União.

"Os Estados Unidos unirão forças com os nossos aliados para erradicar a pobreza extrema no mundo nas próximas duas décadas: ligando mais gente à economia global e dando poder às mulheres, dando a nossos jovens e às nossas mentes mais brilhantes novas oportunidades para servir", disse.

A ideia de Obama inclui também "ajudar as comunidades a poder alimentar-se, obter energia, e educar-se a si próprios, salvar as crianças do mundo de mortes evitáveis, e tornar real a promessa de uma geração livre da Sida", noticiou a agência Efe.

O plano supera um dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) da ONU, que já se alcançou em 2010 e que consistia em reduzir para metade o número de pessoas que vive na pobreza extrema, ou seja, com menos de um dólar por dia.

"O progresso nas regiões pobres do nosso mundo enriquece-nos a todos", assegurou o Presidente.

Obama mencionou várias vezes o problema da pobreza no seu discurso, em que também pediu ao Congresso que aprove a subida do salário mínimo nos Estados Unidos progressivamente até aos 9 dólares por hora em 2015, acima dos atuais 7,25 dólares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.