Presidente dos EUA apelou à erradicação da pobreza

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, apresentou terça-feira a meta de erradicar a pobreza extrema no mundo nas próximas duas décadas e comprometeu-se a trabalhar para cumprir o objetivo, durante o discurso anual sobre o Estado da União.

"Os Estados Unidos unirão forças com os nossos aliados para erradicar a pobreza extrema no mundo nas próximas duas décadas: ligando mais gente à economia global e dando poder às mulheres, dando a nossos jovens e às nossas mentes mais brilhantes novas oportunidades para servir", disse.

A ideia de Obama inclui também "ajudar as comunidades a poder alimentar-se, obter energia, e educar-se a si próprios, salvar as crianças do mundo de mortes evitáveis, e tornar real a promessa de uma geração livre da Sida", noticiou a agência Efe.

O plano supera um dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) da ONU, que já se alcançou em 2010 e que consistia em reduzir para metade o número de pessoas que vive na pobreza extrema, ou seja, com menos de um dólar por dia.

"O progresso nas regiões pobres do nosso mundo enriquece-nos a todos", assegurou o Presidente.

Obama mencionou várias vezes o problema da pobreza no seu discurso, em que também pediu ao Congresso que aprove a subida do salário mínimo nos Estados Unidos progressivamente até aos 9 dólares por hora em 2015, acima dos atuais 7,25 dólares.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.