Presidente apela à adoção da lei sobre a imigração

O Presidente norte-americano Barack Obama pediu na terça-feira ao Congresso para adotar uma lei "abrangente" de reforma do sistema de imigração "nos próximos meses", durante o seu discurso sobre o Estado da União.

"Sabemos o que é preciso fazer (...) Agora, façamo-lo. Enviem-me uma lei de reforma abrangente da imigração durante os próximos meses e eu assiná-la-ei imediatamente", prometeu o Presidente norte-americano.

Barack Obama sustentou que a polícia, o mundo laboral e as empresas estão de acordo quanto à necessidade de uma reforma na questão de imigração.

"A nossa economia é mais forte quando usamos os talentos e a criatividade dos imigrantes cheios de esperanças", justificou.

Esta reforma necessitará de "uma segurança sólida das fronteiras", mas deve oferecer um "caminho" em direção à cidadania.

Oito senadores - quatro aliados de Barack Obama e quatro republicanos - apresentaram no final de janeiro um plano, que sob algumas condições, previa a regularização da naturalização de cerca de 11 milhões de imigrantes ilegais residentes nos Estados Unidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.