Presidente apela à adoção da lei sobre a imigração

O Presidente norte-americano Barack Obama pediu na terça-feira ao Congresso para adotar uma lei "abrangente" de reforma do sistema de imigração "nos próximos meses", durante o seu discurso sobre o Estado da União.

"Sabemos o que é preciso fazer (...) Agora, façamo-lo. Enviem-me uma lei de reforma abrangente da imigração durante os próximos meses e eu assiná-la-ei imediatamente", prometeu o Presidente norte-americano.

Barack Obama sustentou que a polícia, o mundo laboral e as empresas estão de acordo quanto à necessidade de uma reforma na questão de imigração.

"A nossa economia é mais forte quando usamos os talentos e a criatividade dos imigrantes cheios de esperanças", justificou.

Esta reforma necessitará de "uma segurança sólida das fronteiras", mas deve oferecer um "caminho" em direção à cidadania.

Oito senadores - quatro aliados de Barack Obama e quatro republicanos - apresentaram no final de janeiro um plano, que sob algumas condições, previa a regularização da naturalização de cerca de 11 milhões de imigrantes ilegais residentes nos Estados Unidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.