Obama quer próxima revolução manufactureira nos EUA

O Presidente norte-americano, Barack Obama, manifestou hoje o desejo de que a próxima revolução manufatureira seja "concretizada nos Estados Unidos" ao anunciar a criação de três novos centros de inovação produtiva.

"A nossa primeira prioridade é fazer dos Estados Unidos um íman para novos empregos e novas indústrias produtivas", assinalou Obama ao pedir ajuda ao Congresso para "garantir" que a próxima revolução seja em solo norte-americano.

O presidente assinalou no seu discurso do Estado da União, muito centrado nas questões económicas, que nos últimos três anos o setor das manufaturas criou 500.000 postos de trabalho depois de uma década de perda de emprego.

"A Caterpillar está a trazer trabalhos do Japão, a Ford empregos do México (...) e este a Apple começará a produzir Macs nos Estados Unidos novamente", assinalou.

Por isso, disse, "há coisas que podemos fazer já para acelerar esta tendência".

Além dos três centros de inovação, Obama solicitou ao Congresso ajuda a "criar outros 15" nos quais o governo colabore com o setor privado para converter as cidades que ficaram para trás na globalização em centros globais de emprego e alta tecnologia.

"Agora é o momento para alcançar o nível de investigação e desenvolvimento que não se vê desde o desenvolvimento espacial", acrescentou ainda Barack Obama.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.