Obama escolhe lusodescendente para chefiar Energia

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, oficializou hoje a nomeação de três novos responsáveis para as pastas do Orçamento, Proteção Ambiental e Energia, sendo esta última ocupada por um lusodescendente.

O físico Ernest Moniz, descendente de imigrantes açorianos de São Miguel, foi o nome escolhido para chefiar o Departamento de Energia. O lusodescendente irá substituir no cargo de secretário da Energia o também cientista Steven Chu, Nobel da Física em 1997.

Para a Direção de Gestão e Orçamento (OMB, sigla em inglês), o chefe de Estado norte-americano nomeou a presidente da Fundação Walmart Sylvia Mathews Burweel, escolhendo para a Agência de Proteção do Ambiente (EPA, sigla em inglês) Gina McCarthy.

Estas nomeações ocorrem poucos dias depois da entrada em vigor de cortes automáticos no orçamento do governo federal norte-americano na ordem dos 85 mil milhões de dólares (65 mil milhões de euros).

"Estou a anunciar a nomeação de três pessoas de relevo para que nos ajudem a lidar com alguns dos nossos desafios mais importantes (...) espero que o Senado [onde os republicanos detém uma minoria de bloqueio] confirme os seus nomes o mais rápido possível", afirmou Obama, num breve encontro na Casa Branca, que contou com a presença dos três novos responsáveis.

Apesar das prioridades energéticas e da luta contra as alterações climáticas da administração Obama, a nomeação de Burwell é talvez a mais mediática.

Barack Obama foi obrigado por lei a declarar um rigoroso corte na despesa pública, a fazer ao longo dos sete meses que faltam para o fim do ano orçamental (30 de setembro), depois de os líderes democratas e republicanos não terem chegado a um acordo de última hora.

Os cortes vão afetar a área de Defesa, mas também os serviços públicos nos aeroportos, vigilância nas fronteiras e um amplo conjunto de serviços sociais, nas áreas da educação e assistência.

Sylvia Mathews Burweel, atual presidente da Fundação Walmart, organismo que coordena o trabalho filantrópico da rede de distribuição, foi subdiretora do OMB durante a presidência de Bill Clinton.

As nomeações hoje divulgadas suscitaram elogios da ala democrata do Congresso norte-americano.

Chris Van Hollen, representante democrata do estado do Maryland e elemento do Comité do Orçamento da Câmara dos Representantes (câmara baixa do Congresso norte-americano), elogiou a escolha de Burwell por considerar que a responsável tem "um amplo conhecimento em questões orçamentais e um reconhecido historial de bom senso para lidar os assuntos sérios que enfrenta a nação norte-americana".

Segundo os analistas, das três nomeações, a designação de Gina McCarthy poderá suscitar alguma controvérsia no Senado [câmara alta do Congresso norte-americano], uma vez que a responsável dirigiu o Gabinete de Proteção Ambiental do estado do Massachusetts, dependendo do então governador e ex-candidato presidencial republicano Mitt Romney.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...