Nomes, histórias, sinos e água a cair 11 anos depois

Onze anos depois, o aniversário do 11 de setembro marcou-se lendo os nomes de vítimas, evocando histórias de famílias, ao som das cascatas de água e de sinos a marcar o momento dos atentados.

"E o meu marido Eddie: a cadeia da nossa família está quebrada para sempre", disse a mulher de uma vítimas dos atentados, depois de ler os nomes de outros, por ordem alfabética, numa fresca manhã de sol na Praça do Memorial, inaugurada em 2011 e que pela primeira vez recebeu a cerimónia.

Eram 08:00 quando a cerimónia arrancou, ao som da banda de gaitas de foles da Polícia e de um coro infantil, que cantou "America The Beautiful", dando depois lugar à leitura dos nomes das vítimas da tragédia.

"Os nossos filhos entraram agora para a faculdade, sei que terias orgulho neles", disse outra mulher, com a voz embargada, num palco onde, além dos quatro familiares que se iam alternando na leitura dos quase 3.000 nomes, apenas tinham lugar um polícia e um bombeiro fardados de gala, em homenagem às centenas de companheiros caídos há 11 anos.

O "mayor" Michael Bloomberg, o antecessor Rudy Giuliani e os governadores de Nova Iorque, Andrew Cuomo, e de Nova Jérsia, Chris Christie, estiveram na Praça para o início das cerimónias, mas nem se fizeram ver.

Este ano, por indicações de Bloomberg, a cerimónia no local dos atentados fez-se sem políticos, dando inteiramente o palco, à sombra dos 104 andares da "Torre da Liberdade", adornada com uma enorme bandeira norte-americana, à leitura dos nomes.

"Temos mais saudades de ti, pai, nos domingos de manhã, que era quando nos acordavas para o pequeno-almoço", disse uma adolescente, também chamada ao palco para a leitura, com milhares de outros familiares na assistência, vestindo 't-shirts' com mensagens acerca de família ou amigos perdidos, por vezes molduras com fotos.

O som do sino foi marcando o início de seis momentos de silêncio, assinalando o embate do primeiro e do segundo avião nas Torres Gémeas, a queda de ambas e o despenhar dos aviões no Pentágono e na Pensilvânia.

Quando a leitura era suspensa para o momento de silêncio, podia ouvir-se apenas as duas cascatas da Praça do Memorial, que estão no local onde assentaram as fundações das Torres, e em redor das quais estão inscritos em placas de metal os nomes das vítimas.

Foi também daqui que muitos familiares aguardaram, empunhando cartazes com os nomes e fotografias de entes queridos, até que o seu nome fosse lido.

Na espera, algumas crianças depunham flores ou decalcavam para uma folha de papel o nome dos familiares perdidos, rabiscando por cima com lápis de carvão.

"Rick, consegues ouvir o teu nome? Se eles que nos ouvem, neste sítio onde as tuas cinzas repousaram, soubessem que filho amável e pessoa maravilhosa de tornaste", disse o pai de uma das vítimas.

A presença dos políticos nas comemorações limitava-se à leitura de textos bíblicos ou poemas, mas a total ausência da cerimónia parece ter sido bem recebida.

"Adoro a atmosfera tranquila, é muito pessoal. Devia ter sido desta forma desde o primeiro dia", disse aos jornalistas Angela Pesce, que trazia uma 't-shirt' com o nome do filho, Danny.

O presidente norte-americano, Barack Obama, o secretário da Defesa e outros altos dignitários marcaram a data na capital, Washington.

Depois de o 10.º aniversário ter sido marcado por grandes comemorações, que trouxeram a Nova Iorque o atual presidente e o antecessor, George W. Bush, este ano houve em todo o país menos cerimónias e mais recatadas.

"Antes havia café, comida, e agora há menos gente. Mas, de certa forma, é compreensível", disse à agência Lusa Jim, que há anos acompanha à cerimónia um amigo, Edward Ghiozzi, que perdeu o filho.

Pelas ruas em torno da Praça, podiam ver-se hoje desfiles de bandas de bombeiros, coros de cristãos menonitas entoando cânticos e distribuindo folhetos com mensagens bíblicas e também cerca de uma dezena protestantes a exigir uma investigação aos atentados, que dizem ter tido o "dedo" do governo Bush.

O anúncio, na noite de segunda-feira, de um acordo entre o "mayor" e os governos de Nova Iorque e Nova Jérsia para suportar os custos de conclusão da construção do Museu do Memorial do 11 de setembro, serviu para dissipar a potencialmente embaraçosa ameaça de protestos de familiares, que pairava sobre as comemorações.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.