Nomes, histórias, sinos e água a cair 11 anos depois

Onze anos depois, o aniversário do 11 de setembro marcou-se lendo os nomes de vítimas, evocando histórias de famílias, ao som das cascatas de água e de sinos a marcar o momento dos atentados.

"E o meu marido Eddie: a cadeia da nossa família está quebrada para sempre", disse a mulher de uma vítimas dos atentados, depois de ler os nomes de outros, por ordem alfabética, numa fresca manhã de sol na Praça do Memorial, inaugurada em 2011 e que pela primeira vez recebeu a cerimónia.

Eram 08:00 quando a cerimónia arrancou, ao som da banda de gaitas de foles da Polícia e de um coro infantil, que cantou "America The Beautiful", dando depois lugar à leitura dos nomes das vítimas da tragédia.

"Os nossos filhos entraram agora para a faculdade, sei que terias orgulho neles", disse outra mulher, com a voz embargada, num palco onde, além dos quatro familiares que se iam alternando na leitura dos quase 3.000 nomes, apenas tinham lugar um polícia e um bombeiro fardados de gala, em homenagem às centenas de companheiros caídos há 11 anos.

O "mayor" Michael Bloomberg, o antecessor Rudy Giuliani e os governadores de Nova Iorque, Andrew Cuomo, e de Nova Jérsia, Chris Christie, estiveram na Praça para o início das cerimónias, mas nem se fizeram ver.

Este ano, por indicações de Bloomberg, a cerimónia no local dos atentados fez-se sem políticos, dando inteiramente o palco, à sombra dos 104 andares da "Torre da Liberdade", adornada com uma enorme bandeira norte-americana, à leitura dos nomes.

"Temos mais saudades de ti, pai, nos domingos de manhã, que era quando nos acordavas para o pequeno-almoço", disse uma adolescente, também chamada ao palco para a leitura, com milhares de outros familiares na assistência, vestindo 't-shirts' com mensagens acerca de família ou amigos perdidos, por vezes molduras com fotos.

O som do sino foi marcando o início de seis momentos de silêncio, assinalando o embate do primeiro e do segundo avião nas Torres Gémeas, a queda de ambas e o despenhar dos aviões no Pentágono e na Pensilvânia.

Quando a leitura era suspensa para o momento de silêncio, podia ouvir-se apenas as duas cascatas da Praça do Memorial, que estão no local onde assentaram as fundações das Torres, e em redor das quais estão inscritos em placas de metal os nomes das vítimas.

Foi também daqui que muitos familiares aguardaram, empunhando cartazes com os nomes e fotografias de entes queridos, até que o seu nome fosse lido.

Na espera, algumas crianças depunham flores ou decalcavam para uma folha de papel o nome dos familiares perdidos, rabiscando por cima com lápis de carvão.

"Rick, consegues ouvir o teu nome? Se eles que nos ouvem, neste sítio onde as tuas cinzas repousaram, soubessem que filho amável e pessoa maravilhosa de tornaste", disse o pai de uma das vítimas.

A presença dos políticos nas comemorações limitava-se à leitura de textos bíblicos ou poemas, mas a total ausência da cerimónia parece ter sido bem recebida.

"Adoro a atmosfera tranquila, é muito pessoal. Devia ter sido desta forma desde o primeiro dia", disse aos jornalistas Angela Pesce, que trazia uma 't-shirt' com o nome do filho, Danny.

O presidente norte-americano, Barack Obama, o secretário da Defesa e outros altos dignitários marcaram a data na capital, Washington.

Depois de o 10.º aniversário ter sido marcado por grandes comemorações, que trouxeram a Nova Iorque o atual presidente e o antecessor, George W. Bush, este ano houve em todo o país menos cerimónias e mais recatadas.

"Antes havia café, comida, e agora há menos gente. Mas, de certa forma, é compreensível", disse à agência Lusa Jim, que há anos acompanha à cerimónia um amigo, Edward Ghiozzi, que perdeu o filho.

Pelas ruas em torno da Praça, podiam ver-se hoje desfiles de bandas de bombeiros, coros de cristãos menonitas entoando cânticos e distribuindo folhetos com mensagens bíblicas e também cerca de uma dezena protestantes a exigir uma investigação aos atentados, que dizem ter tido o "dedo" do governo Bush.

O anúncio, na noite de segunda-feira, de um acordo entre o "mayor" e os governos de Nova Iorque e Nova Jérsia para suportar os custos de conclusão da construção do Museu do Memorial do 11 de setembro, serviu para dissipar a potencialmente embaraçosa ameaça de protestos de familiares, que pairava sobre as comemorações.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)