Minuto de silêncio no 11.º aniversário dos ataques

Um minuto de silêncio foi observado esta manhã, em Nova Iorque, para assinalar o 11.º aniversário dos ataques de 11 de Setembro.

Após o minuto de silêncio, teve inicio a cerimónia dedicada às vitimas e suas famílias, no local onde as Torres Gémeas do World Trade Center estavam localizadas. Excecionalmente, não estará previsto nenhum discurso político para este ano, neste que será o 11.º aniversário dos ataques, que fizeram perto de 3000 vitimas.

Familiares leram os nomes das vítimas, num ritual que se repete desde o primeiro aniversários dos ataques. A 11 de setembro de 2001 19 piratas do ar ds Al-Qaeda desviaram quatro aviões comerciais. Os dois primeiros despenharam-se contra as Torres Gémeas do World Trade Center. Um terceiro atingiu o Pentágono, em Washington e o quarto caiu num descampado de Shanksville, na Pensilvânia.

O primeiro minuto de silêncio teve lugar às 8:46 (mais cinco horas em lisboa), momento exato em que o primeiro avião atingiu o World Trade Center. À mesma hoa, na Casa Branca, o Presidente Barack Obama e a mulher, Michelle, recolheram-se em silêncio nos jardins da residência.

Este ano, o segundo depois da morte de Ussama ben Laden, o líder da Al-Qaeda, não estão previstos quaisquer discursos políticos durante as cerimónias. Nem o presidente da Câmara de Nova Iorque, Michael Bloomberg, nem qualquer outra personalidade deverá discursar, ao contrário do que aconteceu em 2011, no 10.º aniversário dos ataques que fizeram quase três mortos - os mais mortíferos em solo americano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.