Minuto de silêncio no 11.º aniversário dos ataques

Um minuto de silêncio foi observado esta manhã, em Nova Iorque, para assinalar o 11.º aniversário dos ataques de 11 de Setembro.

Após o minuto de silêncio, teve inicio a cerimónia dedicada às vitimas e suas famílias, no local onde as Torres Gémeas do World Trade Center estavam localizadas. Excecionalmente, não estará previsto nenhum discurso político para este ano, neste que será o 11.º aniversário dos ataques, que fizeram perto de 3000 vitimas.

Familiares leram os nomes das vítimas, num ritual que se repete desde o primeiro aniversários dos ataques. A 11 de setembro de 2001 19 piratas do ar ds Al-Qaeda desviaram quatro aviões comerciais. Os dois primeiros despenharam-se contra as Torres Gémeas do World Trade Center. Um terceiro atingiu o Pentágono, em Washington e o quarto caiu num descampado de Shanksville, na Pensilvânia.

O primeiro minuto de silêncio teve lugar às 8:46 (mais cinco horas em lisboa), momento exato em que o primeiro avião atingiu o World Trade Center. À mesma hoa, na Casa Branca, o Presidente Barack Obama e a mulher, Michelle, recolheram-se em silêncio nos jardins da residência.

Este ano, o segundo depois da morte de Ussama ben Laden, o líder da Al-Qaeda, não estão previstos quaisquer discursos políticos durante as cerimónias. Nem o presidente da Câmara de Nova Iorque, Michael Bloomberg, nem qualquer outra personalidade deverá discursar, ao contrário do que aconteceu em 2011, no 10.º aniversário dos ataques que fizeram quase três mortos - os mais mortíferos em solo americano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?