Minuto de silêncio no 11.º aniversário dos ataques

Um minuto de silêncio foi observado esta manhã, em Nova Iorque, para assinalar o 11.º aniversário dos ataques de 11 de Setembro.

Após o minuto de silêncio, teve inicio a cerimónia dedicada às vitimas e suas famílias, no local onde as Torres Gémeas do World Trade Center estavam localizadas. Excecionalmente, não estará previsto nenhum discurso político para este ano, neste que será o 11.º aniversário dos ataques, que fizeram perto de 3000 vitimas.

Familiares leram os nomes das vítimas, num ritual que se repete desde o primeiro aniversários dos ataques. A 11 de setembro de 2001 19 piratas do ar ds Al-Qaeda desviaram quatro aviões comerciais. Os dois primeiros despenharam-se contra as Torres Gémeas do World Trade Center. Um terceiro atingiu o Pentágono, em Washington e o quarto caiu num descampado de Shanksville, na Pensilvânia.

O primeiro minuto de silêncio teve lugar às 8:46 (mais cinco horas em lisboa), momento exato em que o primeiro avião atingiu o World Trade Center. À mesma hoa, na Casa Branca, o Presidente Barack Obama e a mulher, Michelle, recolheram-se em silêncio nos jardins da residência.

Este ano, o segundo depois da morte de Ussama ben Laden, o líder da Al-Qaeda, não estão previstos quaisquer discursos políticos durante as cerimónias. Nem o presidente da Câmara de Nova Iorque, Michael Bloomberg, nem qualquer outra personalidade deverá discursar, ao contrário do que aconteceu em 2011, no 10.º aniversário dos ataques que fizeram quase três mortos - os mais mortíferos em solo americano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.