Madeirense sequestrado há três dias na Venezuela

Um comerciante português, de 54 anos, foi sequestrado por indivíduos armados, há três dias, em La Lagunetica, uma localidade da cidade venezuelana de Los Teques, a 20 quilómetros a sul de Caracas.

Fontes da comunidade portuguesa local indicaram à agência Lusa que o comerciante, natural da Calheta, Madeira, foi intercetado por desconhecidos quando circulava perto de um viveiro do qual é proprietário.

O sequestro ocorreu na quarta-feira, desconhecendo-se desde então o paradeiro do comerciante.

Este sequestro está a causar alguma apreensão no seio da comunidade lusa local que diz ter presente na memória que, em 2011 e início de 2012, La Lagunetica e a vizinha localidade de San Pedro dos Altos transformaram-se nas regiões do Estado de Miranda com o maior número de sequestrados, incluindo uma dezena de portugueses.

Em La Lagunetica e San Pedro dos Altos é comum ver portugueses a trabalhar na agricultura, floricultura e em viveiros.

Fontes não oficiais dão conta de que, no ano passado, o mesmo comerciante foi alvo de um rapto e que este seria o terceiro sequestro ocorrido no seio da mesma família.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".