Luso-descendente não consegue candidatar-se

Chama-se Venezuela Portuguesa da Silva e diz que formalidades relacionadas com a sua força política a impediram de "tornar efetiva" a sua candidatura às eleições presidenciais venezuelanas previstas para 7 de outubro.

Venezuela explicou à Lusa ter sido surpreendida por uma informação do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) referindo que o seu movimento, o Nova Ordem Social (NOS), surge como de âmbito regional, o que a impede de concretizar a candidatura.

Advogada de profissão e com 58 anos de idade, Venezuela Portuguesa da Silva é uma antiga 'rainha' de concursos de beleza, filha de um emigrante português, natural de Aveiro, que participou nas presidenciais de 2006.

Em declarações à Lusa, explicou que o CNE considerou que o seu partido tem bases em seis Estados da Venezuela e mandou ratificar alguns requisitos noutros seis Estados.

No documento, data de 05 de junho, o CNE indica que o NOS foi legalizado como uma "organização com fins políticos de âmbito regional em seis Estados venezuelanos (Barinas, Cojedes, Delta Amacuro, Mérida, Trujillo e Vargas)".

A luso-descendente insiste que tem um projeto de todo o país pelo qual irá continuar a lutar, sublinhando que "é necessária a participação de todos os cidadãos, nacionais e estrangeiros, para conseguir uma melhor Venezuela".

Venezuela Portuguesa da Silva indicou que a sua candidatura seria uma alternativa "em que não existe radicalismo partidário e que não representa o passado, nem o presente, mas o futuro".

Venezuela participou nas presidenciais de 2006, ficando no quarto lugar. No mesmo escrutínio, Hugo Chávez foi reeleito para um terceiro mandato de seis anos.

O CNE deverá divulgar ainda esta semana a listagem dos cidadãos que cumpriram todos os requisitos e são candidatos efetivos às eleições presidenciais previstas para 07 de outubro.

Os principais candidatos são o presidente Hugo Chávez e o líder da oposição, Henrique Capriles Radonski.

Na Venezuela vivem oficialmente quase 600 mil portugueses. De acordo com fontes da comunidade portuguesa, o número deve rondar os 1,5 milhões se se incluir os luso-descendentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.