Ex-guerrilha à beira do segundo mandato em El Salvador

O vice-presidente Salvador Sanchez Cerén, candidato da Frente Farabundo Marti para a Libertação Nacional (ex-guerrilha marxista), ficou a menos de um por cento de conseguir a vitória na primeira volta nas presidenciais de El Salvador. A segunda volta será a 9 de março.

Segundo os resultados anunciados pelo Supremo Tribunal Eleitoral, referentes à contagem de 60% dos boletins de voto, Salvador Sánchez conseguiu 49,06% dos votos, contra 38,86% do seu principal adversário, o presidente da câmara de San Salvador, Norman Quijano (direita).

"Vamos para uma batalha na segunda volta", afirmou Quijano, de 67 anos, um dentista de formação que é apoiado pelo mundo empresarial mas tem pouco carisma. Beneficiou da cobertura dos media privados para passar a sua mensagem, num discurso em que qualificava o seu adversário de "comunista":

Depois de ter posto fim a 20 anos de hegemonia dos conservadores com a eleição do moderado Maurício Funes, em 2009, a Frente Farabundo Marti para a Libertação Nacional apresentou a candidatura do ex-comandante rebelde e atual vice-presidente Salvador Sánchez Céren, de 69 anos. Os seus desafios são lutar contra o aumento da criminalidade e uma elevada taxa de pobreza.

Salvador Sánchez disse que irá procurar ampliar as suas alianças políticas para a segunda volta, nomeadamente com o ex-presidente Antonio Saca, candidato da Unidade. "Vamos continuar a ampliar as nossas alianças, que não se decidiram antes unir-se a nós, vamos atrás deles", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.