Ex-guerrilha à beira do segundo mandato em El Salvador

O vice-presidente Salvador Sanchez Cerén, candidato da Frente Farabundo Marti para a Libertação Nacional (ex-guerrilha marxista), ficou a menos de um por cento de conseguir a vitória na primeira volta nas presidenciais de El Salvador. A segunda volta será a 9 de março.

Segundo os resultados anunciados pelo Supremo Tribunal Eleitoral, referentes à contagem de 60% dos boletins de voto, Salvador Sánchez conseguiu 49,06% dos votos, contra 38,86% do seu principal adversário, o presidente da câmara de San Salvador, Norman Quijano (direita).

"Vamos para uma batalha na segunda volta", afirmou Quijano, de 67 anos, um dentista de formação que é apoiado pelo mundo empresarial mas tem pouco carisma. Beneficiou da cobertura dos media privados para passar a sua mensagem, num discurso em que qualificava o seu adversário de "comunista":

Depois de ter posto fim a 20 anos de hegemonia dos conservadores com a eleição do moderado Maurício Funes, em 2009, a Frente Farabundo Marti para a Libertação Nacional apresentou a candidatura do ex-comandante rebelde e atual vice-presidente Salvador Sánchez Céren, de 69 anos. Os seus desafios são lutar contra o aumento da criminalidade e uma elevada taxa de pobreza.

Salvador Sánchez disse que irá procurar ampliar as suas alianças políticas para a segunda volta, nomeadamente com o ex-presidente Antonio Saca, candidato da Unidade. "Vamos continuar a ampliar as nossas alianças, que não se decidiram antes unir-se a nós, vamos atrás deles", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...