Ex-guerrilha à beira do segundo mandato em El Salvador

O vice-presidente Salvador Sanchez Cerén, candidato da Frente Farabundo Marti para a Libertação Nacional (ex-guerrilha marxista), ficou a menos de um por cento de conseguir a vitória na primeira volta nas presidenciais de El Salvador. A segunda volta será a 9 de março.

Segundo os resultados anunciados pelo Supremo Tribunal Eleitoral, referentes à contagem de 60% dos boletins de voto, Salvador Sánchez conseguiu 49,06% dos votos, contra 38,86% do seu principal adversário, o presidente da câmara de San Salvador, Norman Quijano (direita).

"Vamos para uma batalha na segunda volta", afirmou Quijano, de 67 anos, um dentista de formação que é apoiado pelo mundo empresarial mas tem pouco carisma. Beneficiou da cobertura dos media privados para passar a sua mensagem, num discurso em que qualificava o seu adversário de "comunista":

Depois de ter posto fim a 20 anos de hegemonia dos conservadores com a eleição do moderado Maurício Funes, em 2009, a Frente Farabundo Marti para a Libertação Nacional apresentou a candidatura do ex-comandante rebelde e atual vice-presidente Salvador Sánchez Céren, de 69 anos. Os seus desafios são lutar contra o aumento da criminalidade e uma elevada taxa de pobreza.

Salvador Sánchez disse que irá procurar ampliar as suas alianças políticas para a segunda volta, nomeadamente com o ex-presidente Antonio Saca, candidato da Unidade. "Vamos continuar a ampliar as nossas alianças, que não se decidiram antes unir-se a nós, vamos atrás deles", afirmou.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.