EUA enviam mais 1400 soldados para a Libéria

Os EUA vão enviar 1.400 soldados para a Libéria para ajudar a conter o vírus do Ébola, disse o Pentágono terça-feira, dia em que se conheceu o primeiro caso diagnosticado fora de África, precisamente em território norte-americano.

O anúncio do envio destes militares nas próximas semanas coincidiu no dia em que o primeiro caso de um paciente, de regresso da Libéria, foi diagnosticado em solo norte-americano.

Cerca de 700 soldados da 101.ª Divisão Aerotransportada e outros tantos engenheiros militares devem ser deslocados para a capital da Libéria, Monrovia, próximo do fim de outubro, declarou à imprensa o porta-voz do Pentágono, o contra-almirante John Kirby.

Estes soldados vão juntar-se a cerca de outros 200 que já estão no terreno e integram um contingente total de três mil homens que o governo dos EUA anunciou querer enviar, para ajudar a formar trabalhadores sanitários e instalar hospitais e infraestruturas.

O Presidente dos EUA, Barack Obama, tinha anunciado em setembro o projeto de enviar cerca de três mil soldados para a Libéria para fornecer apoio logístico no terreno aos trabalhadores que lutam todos os dias contra a epidemia, a mais grave desde o aparecimento do vírus em 1976.

O número de vítimas mortais já ultrapassou os três mil, cerca de metade dos 6.500 casos recenseados, segundo a Organização Mundial de Saúde.

Os soldados da 101.ª Divisão Aerotransportada vão instalar um quartel-general na Libéria, dirigido pelo general Gary Volesky, que vai substituir, no final de outubro, o atual chefe da missão, o major-general Darryl Williams.

Kirby adiantou que os militares estavam na Libéria para apoiar as outras agências civis dos EUA que participam na luta contra a epidemia.

O Pentágono garantiu ainda que os seus soldados não vão ter contactos diretos com os doentes infetados pelo vírus.

As autoridades de saúde federais garantiram na terça-feira que podem impedir a propagação do vírus nos EUA.

Lusa/fim

Este texto da agência Lusa foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.