Encontrado nos EUA diário do cérebro nazi do anti-semitismo

Os cadernos pessoais de Alfred Rosenberg, criminoso de guerra nazi e consultor de Adolf Hitler encontrados nos Estados Unidos da América, revelam o essencial da "Solução Final", plano nazi para a exterminação dos judeus.

O diário do ideólogo nazi do anti-semitismo tinha desaparecido após o seu julgamento e execução no processo de Nuremberga, em 1946. Este tesouro para os historiadores foi apresentado numa conferência de imprensa na quinta-feira, em Wilmington, Delaware, local que foi o ponto de partida da investigação que levou à sua descoberta.

Em novembro passado, as autoridades desse Estado norte-americano receberam informações de um especialista em artes que trabalha com o Museu do Holocausto em Washington, que levaram à localização e apreensão pelo Tribunal de Delaware do documento com 400 páginas e notas manuscritas pelo próprio Rosenberg entre 1934 e 1944.

"Possuir textos que documentam atos criminosos e quais foram as suas vítimas é fundamental para ajudar os pesquisadores a perceber como e porquê aconteceu o Holocausto", afirmou Sara Bloomfield, diretora do Museu do Holocausto, que contém um dos maiores acervos históricos desse período negro da Segunda Guerra Mundial.

Os cadernos de Rosenberg foram encontrados numa "velha universidade" de Buffalo, onde teriam sido depositados por um assistente de Robert Kempner, um advogado judeu alemão que os levou para os Estados Unidos no final da guerra para processar criminosos nazis. Os cadernos, que passaram a ser propriedade do governo dos Estados Unidos, devem ser agora entregues ao Museu do Holocausto, onde ficarão disponíveis para ser consultados por historiadores e investigadores. Os cadernos proporcionam uma nova visão sobre as reuniões secretas e as discussões mantidas entre Alfred Rosenberg e outros nazis de alta patente como Hermann Goering, comandante da Força Aérea Alemã ou Heinrich Himmler, teórico da "Solução Final" e responsável máximo pela execução de cerca de seis milhões de pessoas, bem como detalhes sobre a ocupação nazi da União Soviética, incluindo planos para o extermínio em massa de judeus e outros europeus de Leste.

Segundo o jornal britânico "The Huffington Post" e de acordo com uma análise preliminar, o diário revela um número importante de assuntos relacionados com a política do III Reich e inclui vários detalhes acerca das tensões no alto comando alemão e, em particular, sobre a crise causada pelo voo de Rudolf Hess para a Grã Bretanha, em 1941.

Esta descoberta mostra, de acordo com Sara Bloomfield, "que ainda há muito para ser investigado" e que os cadernos "contradizem", até no próprio Museu do Holocausto, "muitas verdades adquiridas".

Rosenberg nasceu a 12 de janeiro de 1893 e foi enforcado a 16 de outubro de 1946 após o julgamento de Nuremberga. Foi o autor do livro "O Mito do Século XX" e o teórico da superioridade da raça ariana e do povo alemão que inspirou inúmeros discursos de Hitler. Dirigiu o Departamento de Relações Exteriores do Terceiro Reich e supervisionou o jornal do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (sigla em alemão NSDAP), o "Völkischer Beobachter".

O NSDAP foi a única força política na Alemanha nazi depois da queda da República de Weimar, em 1933, até o fim da Segunda Guerra Mundial em 1945, quando foi declarado ilegal e os seus líderes presos e julgados por crimes contra a humanidade em Nuremberga.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?