Encontrada parte de avião do 11 de Setembro

A polícia de Nova Iorque anunciou na sexta-feira ter encontrado perto do local dos atentados do 11 de Setembro uma peça de um dos aviões que se precipitou contra as torres gémeas do World Trade Center.

Uma parte de um trem de aterragem, que parece pertencer a um dos aviões de passageiros destruídos no 11 de Setembro, foi descoberta entalada nas traseiras" de dois edifícios de Manhattan, afirmou o porta-voz da polícia Paul Browne.

Os dois edifícios, o número 50 de Park Place e o número 50 da rua Murray estão localizados a dois quarteirões do World Trade Center.

Paul Browne acrescentou que a parte do avião possuía "um número de identificação Boeing claramente visível".

As autoridades não precisaram o tamanho, mas a cadeia de televisão local NBC refere uma peça de cerca de um metro e meio.

O espaço entre os dois imóveis é extremamente estreito, o que pode explicar como esta peça do avião escapou a todas as buscas durante perto de 12 anos.

A polícia "estabeleceu um perímetro de segurança em redor da área, como faz habitualmente para a cena de um crime, tirando fotografias e limitando o acesso", precisou Paul Browne num comunicado.

É possível que venha a ser tomada a decisão de inspecionar o solo em busca de possíveis restos humanos, acrescentou.

A peça do avião foi descoberta acidentalmente após uma inspeção na parte traseira do edifício de Park Place, a pedido do seu proprietário. Os inspetores chamaram a polícia depois de descobrirem o que pensaram ser uma máquina danificada.

Ao todo, 2.753 pessoas morreram nos atentados de 11 de Setembro em Nova Iorque, quando dois aviões de passageiros tomados por terroristas da Al-Qaida chocaram com as duas torres do World Trade Center.

Segundo os médicos legislas, não foi encontrado nenhum rasto de 1.122 pessoas desaparecidas num dilúvio de aço e fogo assim que as torres desabaram.

Ao todo foram encontrados 21.817 restos humanos, mas só 59% puderam ser identificados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.