Efrain Rios Mont desmaia em tribunal e é internado

O ditador da Guatemala Efrain Rios Mont, condenado por genocídio na passada semana, foi hoje hospitalizado de urgência depois de desmaiar em tribunal.

O ex-general foi levado para um hospital militar, três dias depois de ser sentenciado a 80 anos de prisão pelo massacre de mais de 1.700 indígenas durante o seu regime ditatorial.

"Tenho um paciente com quase 87 anos de idade que tem sido alvo de muito 'stress' nos últimos dias e semanas e, por isso, a sua saúde deteriorou-se", afirmou um dos médicos do hospital.

O clínico explicou que Rios Montt sofreu de uma crise de hipertensão que afetou o seu estômago e rins e poderá ter de ficar hospitalizado durante três a sete dias.

O advogado de Montt contou que ele começou a sofrer de hipertensão depois de sexta-feira ter sido preso nas instalações militares de Matamoros para as quais o ditador não foi permitido de levar a sua medicação

Durante o fim-de-semana, Efrain Rios Montt foi examinado por médicos que recomendaram a sua transferência imediata para o hospital.

A transferência foi autorizada mas o ditador decidiu esperar para o final da sessão de hoje.

Ainda durante a audiência de hoje, que se destinava a analisar as indemnizações às vítimas, a juíza Jazmin Barrios determinou que o estado da Guatemala deve pedir desculpa aos Ixil Maia "pelos atos de genocídio" cometidos sob o regime de Rios Montt.

A juíza decretou ainda que o governo deve declarar o dia 23 de março como o Dia Nacional Contra o Genocídio, assinalando assim o dia em que o ditador chegou ao poder em 1982.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.