Criaram uma versão chavista do Pai Nosso católico

Militantes do partido governamental da Venezuela criaram a "oração do delegado", uma versão 'chavista' do tradicional Pai Nosso católico, que louva o falecido líder do "socialismo do século XXI" e ex-presidente da República Hugo Chávez (1954-2013).

"Chavez nosso que estás no céu/ na terra, no mar, em nós e nos delegados/santificado seja o teu nome/ venha a nós o teu legado, para levá-lo ao povos daqui e de lá (internacionais)", diz a primeira parte do texto, que foi lido por Maria Uribe num ato do PSUV (Partido Socialista Unido da Venezuela).

A oração prossegue dizendo "dai-nos hoje a tua luz/para que nos guie todos os dias/ e não nos deixes cair na tentação do capitalismo/ mas livra-nos da maldade, da oligarquia/ como do delito do contrabando/ porque de nós é a pátria, a paz e a vida/ pelos séculos dos séculos amém, Viva Chávez".

Em 2013, na Semana Santa, após o falecimento do líder da revolução bolivariana, várias orações foram distribuídas na Venezuela, entre elas a "oração do comandante" e o "credo chavista".

Em Caracas, no populoso bairro "23 de Enero", nas proximidades do Quartel da Montanha, onde repousam os restos do líder socialista, um grupo de populares criou uma pequena capela de madeira a que deu o nome de "Capela Santo Hugo Chávez".

FPG // JPS

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...