Criaram uma versão chavista do Pai Nosso católico

Militantes do partido governamental da Venezuela criaram a "oração do delegado", uma versão 'chavista' do tradicional Pai Nosso católico, que louva o falecido líder do "socialismo do século XXI" e ex-presidente da República Hugo Chávez (1954-2013).

"Chavez nosso que estás no céu/ na terra, no mar, em nós e nos delegados/santificado seja o teu nome/ venha a nós o teu legado, para levá-lo ao povos daqui e de lá (internacionais)", diz a primeira parte do texto, que foi lido por Maria Uribe num ato do PSUV (Partido Socialista Unido da Venezuela).

A oração prossegue dizendo "dai-nos hoje a tua luz/para que nos guie todos os dias/ e não nos deixes cair na tentação do capitalismo/ mas livra-nos da maldade, da oligarquia/ como do delito do contrabando/ porque de nós é a pátria, a paz e a vida/ pelos séculos dos séculos amém, Viva Chávez".

Em 2013, na Semana Santa, após o falecimento do líder da revolução bolivariana, várias orações foram distribuídas na Venezuela, entre elas a "oração do comandante" e o "credo chavista".

Em Caracas, no populoso bairro "23 de Enero", nas proximidades do Quartel da Montanha, onde repousam os restos do líder socialista, um grupo de populares criou uma pequena capela de madeira a que deu o nome de "Capela Santo Hugo Chávez".

FPG // JPS

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.