Comunidade portuguesa diz que Ernest Moniz nunca escondeu as suas raízes

A comunidade portuguesa dos Estados Unidos recebeu com satisfação a nomeação do luso-descendente Ernest Moniz para a secretaria de Estado da Energia dos Estados Unidos da América (EUA).

Os pais de Ernest Moniz, já falecidos, eram naturais da ilha de São Miguel, nos Açores, e o cientista nasceu em Fall River, Massachusetts, mas cresceu no seio da comunidade açoreana.

"[São] raízes que o Professor Moniz nunca escondeu", disse à agência Lusa o consul-geral de Portugal em Boston, Paulo Cunha Alves, que lembra o luso-descendente como "uma pessoa afável e bem-humorada".

O responsável diplomático diz que "é uma grande honra para Portugal e para a comunidade luso-americana de Massachusetts poder contar com o professor Ernest Moniz em tão importantes funções na administração norte-americana".

Paulo Cunha Alves contou que conheceu o cientista no ano passado, quando a equipa dirigente do programa MIT Portugal sugeriu o nome de Moniz para apresentar o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Paulo Portas, na conferência que este proferiu no MIT, a 05 de Junho.

Vasco Portugal, aluno de doutoramento no MIT que se cruzou com o cientista na preparação da conferência, relatou que Moniz lhe pareceu "bastante simpático e disponível para trocar ideias."

O investigador diz que Ernest Moniz se mostrou interessado em áreas para além da sua especialidade, intervindo, inclusive, para "estabelecer um paralelismo entre os Estados Unidos e a União Europeia para tentar perceber o porquê de um modelo funcionar melhor do que o outro."

Vasco Portugal, que desenvolve o seu doutoramento na área dos sistemas de energia sustentáveis, diz que o professor "é uma presença notada" no MIT, que "tornou o tópico da energia num dos temas mais comentados em todo o mundo académico e impulsionou um conjunto de investigações, atividades e eventos que visam envolver alunos em causas energeticamente sustentáveis."

Ernest Moniz é visto pelos seus pares como um moderado, que defende um 'mix' energético que inclui formas de energia que emitem dióxido de carbono, como o nuclear e o gás, como a solução energética do futuro.

Vasco Portugal diz que este é o ponto onde, "potencialmente, pode existir alguma discussão" à volta do nome de Moniz, mas defende que "dificilmente [a administração] arranjaria alguém com um perfil tão indicado para aquela posição."

O congressista estadual de Massachusetts Marc R. Pacheco, que se cruzou várias vezes com Moniz e partilha com ele as raízes açorianas, diz que o cientista "tem o perfil adequado para o cargo."

Além dos méritos académicos, Pacheco diz que o cientista "mostrou, durante o seu trabalho na administração Clinton, que tem as qualidades políticas necessárias para o cargo."

"Já lidou com a burocracia federal, provou que tem as qualidades para vencer nas águas turbulentas de Washington", defendeu o congressista estadual.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.