Casal vai passear o cão e encontra tesouro escondido

Casal encontrou 1427 moedas de ouro em perfeitas condições, datadas de 1847 a 1894, enterradas à sombra de uma árvore na sua propriedade. O tesouro, que pode ser o maior de sempre encontrado nos EUA, foi avaliado em dez milhões de dólares (7,3 milhões de euros).

"Não gosto de dizer que é algo único, mas nunca temos muitas oportunidade de lidar com este tipo de material, com um tesouro como estes", afirmou à AP o numismata Don Kagin, que representa o casal californiano que quer manter o anonimato. "É como se tivessem encontrado o pote de ouro no fim do arco-íris", acrescentou.

O casal, de meia idade, vive há vários anos na propriedade onde as moedas foram encontradas, em abril de 2013. Não fazem ideia quem as enterrou em seis recipientes de metal. O tesouro foi encontrado quando passeavam o cão e a maior parte das moedas será vendida através da Amazon. O casal vai usar o dinheiro para pagar as contas e ajudar algumas associações de caridade locais, indicou Kagin. "A preocupação deles era que não mudasse a forma como as pessoas os tratam, porque são felizes com a vida que têm", acrescentou.

Antes de venderem todas as moedas, os proprietários emprestaram algumas à Associação de Numismática Americana para serem mostradas no encontro anual da associação, que começa amanhã em Atlanta.

As moedas têm um valor facial de 27 mil dólares contudo, algumas são tão raras e estão em condições tão perfeitas, que há algumas que podem ser vendidas por um milhão de dólares. As moedas são de cinco, dez e vinte dólares e os peritos acreditam que não chegaram a entrar em circulação. A maioria foi cunhada em São Francisco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.