Assassino em série encontrado morto em cela

Israel Keyes, acusado de raptar e assassinar Samantha Koening, uma jovem de 18 anos, na cidade de Anchorage, no Alasca, foi encontrado morto, no domingo de manhã, num aparente suicídio na sua cela. Segundo as autoridades Keyes era suspeito em pelo menos mais sete mortes fora do Alasca.

Israel Keyes foi preso depois da morte da jovem Samantha Koenig, raptada de um café em Anchorage, em fevereiro. Foi detido no Texas, depois de ter utilizado o cartão de crédito da vítima, e enfrentava agora julgamento no tribunal federal de Anchorage. De acordo com o chefe da polícia local, Marl Mew, Keyes confessou o crime e afirmou ainda ter morto um casal, Bill e Lorraine Currior, vistos pela última vez em junho de 2011, e cujos corpos nunca foram encontrados, notícia o site do jornal britânico 'The Huffington Post'.

A polícia nunca chegou a saber os motivos por detrás dos assassínios. Não havia um padrão definido nas mortes, a idade ou o sexo eram aleatórios, e o dinheiro apareceu sempre como um motivo secundário. Calcula-se que Keys tenha efetuado muitos outros crimes dos quais as autoridades nem têm conhecimento nem sabem a extensão, diz o mesmo jornal.

De acordo com informações transmitidas pelo site da CBS, Israel Keys foi aos poucos confessando alguns crimes, como o assassínio de quatro pessoas no estado de Washington e uma em Nova Iorque. De momento as autoridades não querem afirmar se a causa da sua morte foi realmente suicídio, dizendo apenas que o presumível assassino estava sozinho na sua cela nos momentos que precederam a sua morte. Irá ser realizada uma autópsia que fornecerá mais detalhes sobre o sucedido.

O homem, que enfrentava a pena de morte, chocou a cidade de Anchorage com o assassínio da jovem Samantha Koening, cujo corpo foi encontrado no dia 2 de abril num lago gelado. Uma câmara de vigilância possibilitou ver o momento em que Koeing foi levada do café por um homem aparentemente armado, vestindo uma camisola com capucho. Após o rapto, familiares e amigos da jovem estabeleceram uma recompensa para quem a encontrasse e toda a cidade se encheu de cartazes com a sua fotografia, diz o 'CBS'.

De acordo com afirmações das autoridades locais, no domingo, Keyes era bastante metódico nos seus crimes e na forma em como eliminava as suas vítimas. Até hoje só o corpo de Samantha foi encontrado, diz o 'The Huffington Post'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.