Antena do novo 'World Trade Center' chegará a tempo

Uma empresa do Quebeque, no Canadá, tinha ameaçado não entregar a antena do novo 'World Trade Center' devido ao atraso nos pagamentos. No entanto, anunciou ontem que os problemas foram resolvidos e que a estrutura será entregue, em Nova Iorque, dentro dos prazos previstos.

Em declarações à AFP, a empresa 'ADF Group', especializada em estruturas, disse que "um entendimento" foi encontrado entre os empreiteiros, a Autoridade Portuária de Nova Iorque e Nova Jérsia e a sociedade 'One World Trade Center (1 WTC).

Depois de tudo resolvido, "a entrega da instalação da antena" será feita "conforme previsto": a estrutura será enviada entre o dia um e 30 de novembro, disse à AFP o diretor executivo da empresa.

A 'ADF Group', estabelecida em Montreal, Quebeque, foi a responsável pela construção da estrutura em aço das torres número 1 e número 4 do novo 'Wold Trade Center', assim como do metro e do comboio suburbano por baixo do edifício, a serem inaugurados em 2013, noticia a AFP.

Com a falta de pagamento, a empresa tinha ameaçado, no inicio do mês, reter no Quebeque a estrutura de aço, com cerca de 140 metros de altura, que deve delimitar o novo 'World Trade Center' e servir de antena. Em resposta, os contratantes fizeram queixa perante o Supremo tribuna de Nova Iorque. No entanto a denuncia foi retirada, diz a AFP.

O novo 'World Trade Center' é composto por quatro torres. A primeira a ser concluída foi a 4, no entanto, a mais alta de todas será a primeira, a ser inaugurada em 2013.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.