Amnistia Internacional lança apelo a sucessor de Chávez

O futuro Presidente da Venezuela, que sairá das eleições do próximo dia 14, "deve introduzir medidas que garantam a total proteção dos direitos humanos", defendeu, esta quarta-feira, a Amnistia Internacional (AI).

Num comunicado, a organização afirma que "ainda que se tenham registado progressos significativos", sobretudo ao nível "dos direitos sociais e económicos de franjas mais vulneráveis", o novo Presidente da Venezuela tem ainda importantes desafios pela frente.

A Amnistia enviou uma carta aos dois candidatos à presidência da Venezuela -- Nicolas Maduro e Henrique Capriles --, na qual os exorta a reverter a retirada da Convenção americana dos Direitos Humanos e da jurisdição do Tribunal Interamericano de Direitos Humanos.

"A falta de respeito pela Convenção constitui uma afronta às vítimas de abusos, às quais é negada a opção de recorrerem a este importante organismo internacional de proteção legal", apontou a diretora do programa de AI para as Américas, Guadalupe Marengo.

A AI pede ainda aos candidatos que resolvam a situação de insegurança que afeta as principais cidades venezuelanas.

"As autoridades devem introduzir uma política de controlo de armas e munições, investigar as inúmeras alegações de abusos de direitos humanos cometidos pelas forças de segurança e criar um programa de assistência às famílias" de vítimas de violência, aditou Marengo, no comunicado citado pela Efe.

A diretora do programa da AI para as Américas abordou também os problemas de sobrelotação e as condições precárias que se verificam nas prisões do país, onde se registam frequentes motins, defendendo, neste sentido, a necessidade de se conferir mais celeridade ao sistema judicial.

Outro tópico importante, segundo a organização, prende-se com a salvaguarda da liberdade de expressão e associação na Venezuela, assim como com a necessidade de garantir a proteção dos direitos das mulheres.

"É essencial que o candidato que saia vencedor dê prioridade a medidas para a proteção dos direitos humanos", afirma a AI no comunicado, apontando que "algumas mudanças simples são passíveis de melhorar em muito a vida das pessoas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.