"Americanos deixarão de pagar os erros de Wall Street"

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, promulgou hoje a mais vasta reforma da regulação financeira do país feita desde os anos de 1930 e destinada a evitar uma crise como a de 2007-2009.

"Os americanos deixarão de pagar os erros de Wall Street", disse o presidente norte-americano, num discurso pouco antes de assinar o texto, no centro de conferências Ronald Reagan, em Washington.

Obama destacou o reforço da protecção que é dada aos consumidores com esta reforma, salientando que a mesma vai "travar os abusos e excessos" que ameaçaram o sistema financeiro e vai "introduzir transparência nas transacções complexas que contribuíram para desencadear a crise financeira".

A promulgação do diploma teve lugar numa cerimónia que contou com a presença de cerca de 400 pessoas, mas a entrada em vigor desta reforma, aprovada na semana passada no Congresso, ainda levará algum tempo dado que implica numerosas regulamentações, algumas complexas.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.