10 607 videojogos garantem lugar no livro do Guinness

O norte-americano Michael Thomasson recebeu o seu primeiro jogo de computador, Cosmic Avenger, no Natal quando tinha 12 anos. Agora, aos 31, inscreve o seu nome no Livro dos Recordes do Guinness graças a uma coleção que chega aos 10 607 videojogos.

A coleção de Thomasson enche a sua cave nos arredores de Buffalo. Além dos jogos, o colecionador tem também os aparelhos que permitem jogá-los. Não só a mais típica X-box ou PlayStation, mas consolas mais raras, como a Casio Loopy, a única desenvolvida a pensar nas jovens do sexo feminino, que foi lançada no Japão em 1995, ou a Pippin, lançada pela Apple no mesmo ano.

"Cada jogo [da Pippin] é horrível", afirmou Thomasson à agência AP. "É a coisa menos divertida que tenho na minha casa", acrescentou.

Curiosamente, Thomasson só conseguiu jogar o primeiro jogo que lhe foi oferecido no Natal, Cosmic Avenger, um ano depois. Os avós tinham-lhe dado o jogo a pensar que os pais tinham conseguido comprar uma consola ColecoVision, mas isso só aconteceria no Natal seguinte.

Chegar ao Livro dos Recordes do Guinness - mais precisamente à edição para videojogadores - não foi fácil. Thomasson vendeu a sua coleção por duas vezes: uma, em 1989, para conseguir dinheiro para comprar uma Sega Genesis. Depois, em 1998, para pagar o casamento.

Desde então, tem procurado reconstruir a coleção, comprando em média dois jogos por dia e não ultrapassando o orçamento de três mil dólares por ano. Thomasson acredita que a sua coleção vale entre 700 mil e 800 mil dólares.

Os videojogos tornaram-se num modo de vida para Thomasson, mas não se pense que passa o dia a jogá-los. "Provavelmente passo três horas por semana a jogar. Se tiver sorte", afirmou. O norte-americano desenha videojogos, é professor de animação 2D e de história dos jogos de vídeo na Faculdade Canisius, em Buffalo. E escreve sobre o tema em revistas.

Apesar de oficialmente o seu nome constar no Livro do Recorde do Guinness como detentor de 10 607 videojogos, Thomasson diz que a atual coleção excede os 11 mil. É que a contagem oficial já tem quase um ano e, mesmo nessa altura, houve um caixote que ficou esquecido durante a contagem.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.