Indonésia condecora Xanana Gusmão

A cerimónia vai decorrer na ilha de Bali, onde Xanana Gusmão se encontra para participar no VII Fórum da Democracia.

O primeiro-ministro de Timor-Leste, Xanana Gusmão, vai ser condecorado sexta-feira com a Medalha de Honra da Indonésia pelo Presidente cessante indonésio, Susilo Bambang Yudhoyono, anunciou hoje em comunicado o governo timorense.

Segundo o comunicado, a cerimónia vai decorrer na ilha de Bali, onde o primeiro-ministro se encontra para participar no VII Fórum da Democracia.

"A 'Bintan Republik Indonesia Adipurna' é a mais alta Medalha de Honra da Indonésia e será entregue tendo em consideração o papel de Xanana Gusmão como Pai Fundador de Timor-Leste, como Presidente da República entre 2002 e 2007 e como Primeiro-Ministro desde 2007, na promoção das relações bilaterais entre a Indonésia e Timor-Leste, com base nos princípios de respeito mútuo, nas relações de boa vizinhança e benefício mútuo", refere o comunicado.

A cerimónia de entrega da medalha vai decorrer sexta-feira no Centro Internacional de Convenções de Bali e inclui discursos do primeiro-ministro timorense e do Presidente da Indonésia.

Xanana Gusmão viajou para a Indonésia na segunda-feira para participar em Surabaya no 69º aniversário das Forças Armadas indonésia (TNI) e no Fórum da Democracia de Bali, que se realiza entre sexta-feira e sábado.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.