Governo atento a portugueses no Brasil

O secretário de Estado das Comunidades, José Cesário, disse hoje que ainda não foi feito nenhum alerta especial aos portugueses que vivem no Brasil por causa dos tumultos mas garantiu que todos os consulados estão atentos à situação.

"Não temos nota de nenhum problema nem fizemos nenhuma recomendação especial. É evidente que estamos atentos à evolução da situação, mas não queremos dramatizar pois estamos a falar de um país com quem temos relações muito próximas, é o principal país da lusofonia, não nos parece que seja caso, para já, para tomar nenhuma providência especial", adiantou à agência Lusa o secretário de Estados das Comunidades Portuguesas.

José Cesário sublinhou que o que tem estado a ser feito é uma "recomendação genérica a todos os portugueses que viajam no sentido de evitarem qualquer envolvimento em tumultos públicos".

Contudo, refere o secretário de Estado, esta recomendação é geral, não para casos específicos.

"Todos os nossos consulados estão atentos à evolução da situação [no Brasil]. Temos estado a receber informações e não há razão para qualquer alerta especial", disse.

Os protestos começaram no início de junho em São Paulo, exclusivamente contra a subida das tarifas dos transportes públicos, mas estenderam-se a outras cidades no Brasil e de outros países.

A repressão policial às manifestações motivou outras pessoas a protestarem pela paz e pelo direito de manifestação, bem como outras queixas, entre as quais corrupção e a falta de transparência.

Em particular, as manifestações criticam os elevados gastos com a organização de eventos desportivos como o Mundial2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, em detrimento de outras áreas como a saúde e na educação.

Na quinta-feira, a Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, marcou uma reunião de emergência com o ministro da Justiça, Eduardo Cardozo, após mais uma noite de protestos que reuniu cerca de um milhão de pessoas em todo o país.

De acordo com a imprensa brasileira, na reunião Dilma Rousseff deverá avaliar a proporção e o alcance dos atos que terminaram com episódios de vandalismo e violência em algumas cidades, incluindo Brasília e Rio de Janeiro.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG