Detroit disponibiliza casas gratuitas para escritores

O projeto partiu de uma organização sem fins lucrativos denominada Write a House (em português: "Escreva uma Casa"), que pretende expandir a comunidade criativa na cidade ao oferecer residências gratuitas a escritores.

Nos Estados Unidos existem várias residências artísticas de curta duração para artísticas e escritores. Estes permanecem nelas durante algumas semanas, centram-se no seu trabalho e depois vão-se embora.

Mas, de acordo com o Los Angeles Times, este projeto pretende ir mais longe. O Write a House não procura artístas passageiros. Procura escritores que queiram permanecer na cidade. E, para isso, faz-lhes uma oferta: oferece-lhes uma casa.

Toby Barlow, co-fundador da iniciativa, disse em entrevista ao jornal britânico The Times que cresceu numa colónia semelhante, uma colónia para escritores no meio das Montanhas Adirondack. "Isso teve um efeito profundo em mim. Conheci pessoas fantásticas e vi o que uma comunidade forte e positiva de artistas pode construir", disse ao jornal.

Foi ao sabê-lo e ao observar as elevadas taxas de desocupação de Detroit devido à falência da cidade que Barlow teve a ideia para o projeto. "Uma das nossas preocupações foi que talvez nenhum escritor estivesse interessado. Afinal, Detroit ganha mais do que o seu quinhão de má imprensa", admitiu. Mesmo assim, 24 horas após o lançamento oficial da iniciativa, 200 escritores contataram a Write a House para mais informações.

O co-fundador observou que a cidade tem uma forte ligação histórica à música mas que as letras têm ficado para trás. Acredita que "a cidade poderia usar um pouco mais de energia em torno das artes da escrita" para "criar uma comunidade literária mais coesa".

Os escritores que quiserem aderir terão de se mudar para Detroit onde lhes espera uma casa reabilitada pela organização Young Detroit Builders, com 1.000 metros quadrados. Estes têm de permanecer na cidade durante dois anos para obter, de seguida, a escritura da habitação.

Durante esse tempo, os escritores serão apresentados à comunidade literária local, farão parte de um jornal dedicado às letras e realizarão outros contributos à sociedade, como leituras ocasionais. Seguros e impostos serão, também, da sua responsabilidade.

Toby Barlow afirmou, ainda à mesma fonte, que "não estão à procura de ativistas comunitários", mas pretendem trazer pessoas para a cidade que queiram permanecer nela.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG