Desmantelada importante rede de piratas informáticos

O Ministério da Justiça norte-americano anunciou hoje o desmantelamento de uma importante rede de piratas informáticos que roubaram vários milhões de dólares a empresas e consumidores através de vírus em computadores numa dezena de países.

Robert Anderson, alto responsável da polícia federal norte-americana, adiantou, durante uma conferência de imprensa em Washington, que a Gameover Zeus foi a operação "mais sofisticada" até agora realizada pelo FBI em conjunto com os seus aliados.

O vírus "Gameover Zeus", que apareceu em setembro de 2011, tinha como principal objetivo roubar informações bancárias e outros dados confidenciais de discos rígidos infetados.

Segundo os investigadores do FBI (Federal Bureau of Investigation), aquele vírus é responsável por mais de 100 milhões de dólares (73,5 milhões de euros) de perdas, após ter infetado entre 500.000 e um milhão de computadores no mundo, um quarto dos quais nos Estados Unidos.

Alegado líder da rede, o russo Evgenii Mikhailovich Bogachev, de 30 anos, foi acusado por um júri de Pittsburgh (Pensilvânia, leste) de pirataria informática, fraude financeira e bancária e branqueamento de dinheiro.

Bogachev, identificado pelos apelidos "Slavik" ou "Pollingsoon", é também alvo de uma queixa apresentada em Nebraska (centro) por presumivelmente ter organizado uma fraude informática com o vírus "Cryptolocker".

Aparecido em setembro de 2013, o "Cryptolocker" bloqueava os computadores e depois exigia um pagamento em troca de palavras passe que permitiam o desbloqueamento.

O pagamento exigido era muitas vezes superior a 700 dólares (perto de 515 euros) por vítima, ascendendo a mais de 27 milhões de dólares (19,8 milhões de euros) a soma assim roubada envolvendo mais de 234.000 computadores em dois meses de atividade.

Os investigadores norte-americanos trabalharam com polícias da Austrália, Alemanha, Canadá, França, Holanda, Itália, Japão, Luxemburgo, Nova Zelândia, Reino Unido e Ucrânia, assim como com o Centro Europeu do Cibercrime, segundo um comunicado.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG