Confrontos entre polícia e manifestantes em St. Louis

400 pessoas desafiaram as autoridades em protesto pela morte de Vonderrit D. Myers de 18 anos. O jovem foi morto com 17 tiros por um polícia que alega que Myers foi o primeiro a disparar.

Algumas dezenas de manifestantes começaram por concentrar-se ao início da noite nas proximidades do local onde o jovem foi morto na quarta-feira, pedindo a detenção do agente responsável, identificado como Darren Wilson. Porém, os protestos subiram de tom e a polícia acabou por usar gás pimenta para obrigar os manifestantes a dispersar ao fim de longas horas.

O chefe da polícia de St. Louis, Sam Dotson, disse a uma estação de televisão local que um dos manifestantes, do meio da multidão, chegou a atirar uma faca a um dos polícias que formavam um cordão de segurança, tentando conter a violência dos protestos. E acrescentou que um carro da polícia, várias lojas e residências particulares foram danificadas. Cerca da meia-noite (hora local) foram feitas duas detenções,

Para o fim-de-semana já estão agendados protestos: várias organizações de defesa dos direitos dos negros convocaram concentrações, alegando que a morte de Myers, se trata de um novo caso de discriminação racial, lembrando o caso de Michael Brown, em Ferguson, outro adolescente negro que foi morto a tiro por um polícia branco de 28 anos.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.