Barack Obama diz que prosperidade e liderança estão em causa

A prosperidade e a liderança dos Estados Unidos na cena internacional estão hoje em causa, exigindo que democratas e republicanos ponham a conjugação de esforços à frente da luta política, segundo o presidente norte-americano, Barack Obama.

Cerca de duas horas antes do discurso do Estado da Nação, em Washington DC, perante o Congresso, às 21.00 locais (02.00 de quarta-feira em Lisboa), a Casa Branca divulgou à imprensa excertos da intervenção do presidente, que referem que no actual cenário pós-eleições intercalares a governação é "uma responsabilidade partilhada entre os partidos". "Novas leis só vão passar com apoio de democratas e republicanos. Ou andamos em frente juntos, ou não andamos -os desafios que enfrentamos são maiores do que partidos, maiores do que política", refere o discurso.

Obama sublinha ainda, na intervenção, que o que está em causa não é quem vai ganhar as próximas eleições, mas "se novos empregos e indústrias se enraízam" no país. "É se o trabalho duro e engenho do nosso povo é recompensado. É se mantemos a liderança que fez da América não apenas um lugar no mapa, mas uma luz para o mundo. Estamos fadados ao progresso", acredita Obama. Dois anos depois da maior recessão desde a Grande Depressão, o mercado acionista está novamente em alta, os lucros das empresas subiram e a economia dá sinais de crescimento, indicadores que ainda assim não são suficientes para "medir o progresso".

"Medimos o progresso pelo sucesso do nosso povo. Pelos empregos que podem encontrar e a qualidade de vida que esses empregos oferecem. Pelas perspetivas de um pequeno empresário que sonha em transformar uma boa ideia numa empresa vibrante, pelas oportunidades para uma vida melhor para os nossos filhos. Esse é o projeto em que o povo quer que trabalhemos. Juntos", adianta. No discurso, é ainda comparada a situação actual com a vivida há meio século, quando a União Soviética ultrapassou os Estados Unidos lançando o satélite Sputnik, numa altura em que a NASA ainda nem existia.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG