15,5 milhões por ter sido "esquecido" 22 meses na solitária

Stephen Slevin foi preso em 2005 no Novo México por conduzir alcoolizado. Só seria libertado quase dois anos depois, sem nunca ser ouvido por um juiz. Agora, vai receber indemnização milionária.

O caso ocorreu na prisão de Dona Ana, no Novo México. Slevin, de 59 anos, foi de tal forma negligenciado que foi obrigado a arrancar o próprio dente, porque não foi autorizado a ver um dentista. Além disso, as suas unhas dos pés cresceram tanto que encaracolavam à volta dos pés e a sua pele estava cheia de fungos, porque não tinha acesso aos duches.

Em janeiro de 2012, a prisão foi condenada ao pagamento de uma indemnização de 22 milhões de euros. Agora, o valor foi revisto em baixa, para os 15,5 milhões, mas não deixa de ser uma das maiores indemnizações alguma vez pagas a um antigo preso nos EUA.

Segundo contou o advogado de Slevin à NBC News, os problemas começaram logo com a detenção, em agosto de 2005. Slevin foi detido por conduzir um carro roubado sob influência do álcool. Contudo, o carro tinha-lhe sido emprestado por um amigo.

Slevin estava deprimido na altura, explicou Matt Coyte, e os guardas pensaram que tinha tendências suicidas. Por isso, puseram-no numa cela especial durante três dias, sem providenciar qualquer tratamento. Ao final desse tempo, foi posto em solitária sem explicação. Apesar de os presos nesta situação terem direito a uma hora por dia fora da cela, por vezes isso não acontecia com Slevin, que desenvolveu problemas psicológicos. Ao longo dos 22 meses, nunca viu um juiz.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG