Engenheira civil é a primeira mulher presidente da câmara de Bagdad

Iraque. A capital do país, com 1252 anos de história, é a pior cidade no ranking da qualidade de vida da consultora Mercer. Thikra Alwash espera mudar isso e ao mesmo tempo dar uma nova voz às mulheres na política

Num país onde há apenas duas ministras, num governo com 29 pastas, e 83 deputadas - sendo que só 22 tiveram os votos para ser eleitas (as outras chegaram ao Parlamento por causa do sistema de quotas que obriga que 25% dos lugares seja entregue ao sexo feminino) - a nomeação de uma mulher para a presidência da câmara de Bagdad é um passo positivo num mundo dominado pelos homens. Thikra Alwash, doutorada em engenharia civil, é a primeira mulher à frente da câmara da capital iraquiana em 1252 anos de história.

A até agora diretora do departamento de projetos no Ministério do Ensino Superior foi a escolhida pelo primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi (no poder desde setembro), para substituir o polémico autarca Naeem Aboub. Nascida em Hilla, cem quilómetros a sul de Bagdad, Thikra Alwash não tem qualquer vinculação partidária, segundo as informações dos media internacionais, e é vista como uma competente tecnocrata. O cargo que ocupa é apenas interino, já que o parlamento tem que aprovar a sua nomeação para o tornar oficial. Contudo, o anterior presidente da câmara nunca teve essa aprovação e foi sempre "interino".

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.