Eduardo Cunha. Génio do mal ou simplesmente um génio?

Líder da Câmara dos Deputados do Brasil é investigado na Lava-Jato, obedece à agenda evangélica e ataca Dilma. Mas tem exército de fiéis.

Em nome "do decoro e da austeridade", a Câmara dos Deputados do Brasil propôs há dias limitar decotes, saias e outros adereços de funcionários e visitantes. Traduzindo, ombros e joelhos terão de estar cobertos, jeans apertados estão fora de cogitação. A autora da proposta foi a deputada Cristina Brasil.

Na véspera, o deputado Diego Garcia, da Comissão que analisa o Estatuto da Família, apresentou relatório que estabelece como conceito básico de família "a união de homem e mulher" num texto "alinhado aos valores morais" da sociedade brasileira, mesmo apesar de a Constituição, segundo interpretação unânime do Supremo Tribunal Federal em 2011, reconhecer a união homoafetiva.

Em junho, os deputados Hugo Motta e André Moura, que lideram a Comissão Parlamentar de Inquérito ao Petrolão, contrataram uma agência de espionagem, a Kroll, para investigar não os suspeitos de corrupção na Operação Lava-Jato mas os seus delatores. A advogada dos delatores abandonou a profissão por se sentir ameaçada, e Alberto Youssef, um dos pivôs do escândalo, acusou o deputado Celso Pansera de intimidação.

Os deputados Cristina Brasil, Diego Garcia, Hugo Motta, André Moura e Celso Pansera são aquilo a que a colunista Vera Magalhães, do jornal Folha de S. Paulo, chamou de "Mínimos", aludindo ao exército de Gru, o maior vilão do mundo dos filmes de animação Gru - O Maldisposto. Se eles são os "Mínimos", o Gru é Eduardo Cunha.

Também comparado a Frank Underwood, maquiavélico protagonista da série House of Cards, Cunha é classificado pela sua enorme legião de detratores como "génio do mal". E pelo seu não menos numeroso clube de fãs de "génio", simplesmente.

Esse clube de fãs é composto por deputados que se elegeram às custas de financiamentos de campanha conseguidos por ele e pela bancada suprapartidária ligada ao culto evangélico, que Cunha professa.

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG