Dilma, Marina e Aécio enfrentaram-se no primeiro debate

As manifestações de junho de 2013, o baixo crescimento económico do Brasil e a posição do país na América Latina e no mundo entraram em agenda no primeiro debate do ano entre candidatos à presidência na TV Bandeirantes.

Ao todo, sete candidatos que pontuam nas sondagens de intenção de voto participaram do programa (11 pessoas concorrem à presidência brasileira), realizado pela TV Bandeirantes. As eleições ocorrem no próximo dia 05 de outubro.

Os três principais candidatos, a atual presidente Dilma Rousseff (Partido dos Trabalhadores, de centro-esquerda), a ex-ministra do Meio Ambiente e ecologista Marina Silva (Partido Socialista Brasileiro), e Aécio Neves (Partido da Social Democracia Brasileira) participaram no debate.

Rousseff defendeu que o Brasil é a "maior potência regional" da América Latina e que tem condições de ampliar a sua influência por meio de relações no continente americano, na África e, principalmente, com o grupo dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), após ser questionada sobre investimentos do governo em Cuba.

Marina Silva abordou o tema das manifestações de junho de 2013, época em que teve a candidatura defendida por participantes dos protestos, e criticou as medidas apresentadas como resposta pelo governo atual nas áreas de educação, mobilidade e controlo da inflação, afirmando que "nada funcionou".

Rousseff disse discordar da candidata socialista e acrescentou que a reforma política é um tema central que depende desse envolvimento da população.

Já o tema económico foi motivo de embate entre Neves e Rousseff. O social-democrata criticou o baixo crescimento económico do país, a inflação e a diminuição no ritmo de criação de empregos, enquanto a Presidente disse que as dificuldades são provenientes da crise internacional e defendeu a política atual.

O debate foi influenciado pela divulgação da primeira sondagem após a entrada oficial de Marina Silva na corrida presidencial. A ex-ministra, que disputava a vice-presidência na lista do socialista Eduardo Campos, foi nomeada candidata na semana passada, após a morte do político, num acidente aéreo.

A sondagem do Ibope, divulgada nesta terça-feira pela imprensa brasileira, mostra uma reviravolta na disputa, com a ida prevista de Silva e Rousseff à segunda volta, e uma perspetiva de vitória da ecologista. Com Campos na disputa, a segunda volta prevista era entre Rousseff e Aécio Neves.

Durante o debate, o candidato social-democrata acusou Marina Silva de ser incoerente, por elogiar tanto políticos alinhados ao atual governo como à oposição, enquanto a ecologista tentou firmar-se como "terceira via" e opção às duas maiores forças políticas brasileiras (PT, de Rousseff e PSDB, de Neves).

Os outros participantes do debate foram Pastor Everaldo (Partido Social Cristão), Luciana Genro (Partido Socialismo e Liberdade), Eduardo Jorge (Partido Verde) e Levy Fidelix (Partido Renovador Trabalhista Brasileiro).

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG