TV confirma agressão violenta a chefe de redação

A direção do canal privado Televisão Independente de Moçambique (TIM) confirmou hoje que o seu chefe de redação, Alexandre Rosa, "foi violentamente agredido" por militares, que também espancaram um operador de imagem e confiscaram material de reportagem.

Em comunicado distribuído hoje, a TIM dá os pormenores do incidente ocorrido na quinta-feira, sobre as agressões à equipa do canal televisivo, deixando o chefe de redação em "estado grave".

O ataque aos jornalistas aconteceu quando a equipa da TIM cobria escaramuças entre a população e os militares aquartelados num acampamento do exército no Bairro de Malhampsene, nos arredores de Maputo, sul de Moçambique.

"O chefe de redação foi violentamente agredido, tendo conseguido fugir, refugiando-se numa residência próxima, enquanto o operador de câmara, Cláudio Timana, foi também atingido por diferentes pancadas e arrastado para o interior do quartel com outros populares", refere a nota de imprensa.

O motorista conseguiu escapar ileso e a câmara de vídeo que era utilizada pelo operador da TIM foi retirada pelos militares, refere ainda o comunicado da direção da empresa.

A nota de imprensa adianta que Alexadre Rosa está internado numa clínica em Maputo, mas fora de perigo e o equipamento de reportagem foi devolvido pelo comandante do quartel, que pediu desculpas à TIM.

"A TIM fará seguir este assunto, através das autoridades competentes, para o devido tratamento, tendo já feito a participação desta ocorrência junto da polícia e contactará, de seguida, o Sindicato Nacional dos Jornalistas, o Media Institute for Southern Africa, bem como o Conselho Nacional para a Comunicação Social", indica o comunicado.

A população e os militares envolveram-se em cenas de violência, devido à disputa de um terreno que os soldados não permitem que seja usado pela comunidade, por entenderem que pertence ao quartel.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG