Preso um dos traficantes mais procurados do Rio

A Polícia Militar (PM) do Rio de Janeiro prendeu, esta manhã, o traficante de alcunha “Torrão”, suspeito de desencadear a invasão do Morro dos Macacos no sábado, que resultou numa onda de violência nas favelas do norte do Rio de Janeiro.

“Torrão” é apontado, segundo o jornal Estadão, como sendo o chefe dos traficantes numa das favelas do Rio de Janeiro, a Favela do Jacarezinho.

'Guerra' no Rio leva a mudança de comando de esquadras

Os confrontos entre traficantes e a Polícia Militar (PM) em morros da zona norte do Rio de Janeiro levaram à mudança de comando em cerca de 30 esquadras.

Segundo a Globo, após os confrontos deste fim-de-semana, a polícia civil mudou o comando das esquadras da Tijuca, Vila Isabel e Engenho Novo, do Rio de Janeiro.

Fontes policiais informaram ainda, segundo a Globo, que foram operadas mudanças no comando de 30 esquadras. 25 em esquadras distritais e 5 em especializadas.

Os confrontos entre traficantes e a Polícia Militar (PM) em morros da zona norte do Rio de Janeiro fizeram 29 mortos desde sábado.

Três das vítimas mortais são moradoras do Morro dos Macacos e foram abatidas por traficantes. Outras três são polícias, mortos na explosão do helicóptero abatido por traficantes no sábado (veja artigos relacionados) - que já motivou a entrega de uma verba do governo para a compra de um helicóptero blindado.

As autoridades brasileiras confirmaram ontem a morte de 18 traficantes. Segundo a polícia, dois suspeitos foram mortos na segunda-feira numa operação no morro de São João, também na zona norte do Rio.

Onze pessoas foram presas e foram apreendidas drogas, armas e munições que se pensa poderem ter sido usadas nos ataques do fim-de-semana e uniformes pretos a imitar as fardas do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar.

"Guerra" será mantida por tempo indeterminado

A Polícia Militar informou que as operações serão mantidas por tempo indeterminado e que, apesar dos tiroteios, a situação se encontra mais calma. O jornal brasileiro Folha de São Paulo noticia que os moradores da zona viveram momentos de pânico durante a madrugada.

Os confrontos começaram no sábado, quando dois grupos de traficantes disputavam pontos de venda de drogas. A zona dos confrontos, no norte do Rio de Janeiro, nomeadamente os morros de São João e dos Macacos, está próxima do estádio do Maracanã, onde se realizou a final do Campeonato do Mundo de Futebol em 1950.

As forças de segurança brasileiras patrulham, além destas, mais cinco favelas da zona norte, onde a polícia pensa poder encontrar os responsáveis do ataque contra o helicóptero.

Um dos principais procurados é o traficante Fabiano Atanásio da Silva (de alcunha FB33). Existe uma recompensa de dois mil reais (cerca de 760 euros) para quem se dispuser a denunciar o seu paradeiro.

Crianças com medo de ir à escola

Apesar de as escolas e creches próximas do estádio do Maracanã estarem abertas, poucos pais deixaram lá os seus filhos, receosos de novos confrontos.

Na escola municipal Mário de Andrade, próxima de uma das ruas de acesso ao Morro dos Macacos, menos de metade dos alunos estiveram presentes ontem nas aulas, segundo a directora Cláudia Mara.  “As crianças é que ficam com medo de descer, ficam traumatizadas. Muitas foram para a casa de parentes, as pessoas tentam se proteger de algum jeito", disse Cláudia Mara ao site G1, da Globo.

Milhares de homens estão nas ruas a combater nesta "guerra" contra o narcotráfico, num esforço para restabelecer a segurança e a imagem da "Cidade Maravilhosa", escolhida há duas semanas para acolher os Jogos Olímpicos de 2016. 

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG