"Votarei em Aécio e o apoiarei", diz Marina Silva

A candidata do Partido Socialista Brasileiro (PSB), que ficou em terceiro lugar na primeira volta das presidenciais, declarou oficialmente o seu apoio ao antigo adversário, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), dizendo que "a alternância de poder fará bem ao Brasil".

Marina Silva, que conseguiu 22,1 milhões de votos a 5 de outubro, tinha condicionado o seu apoio a Aécio Neves pela inclusão de algumas das suas políticas no programa de governo do PSDB, o que aconteceu no sábado, com o candidato a apresentar uma carta de compromissos.

"Votarei em Aécio e o apoiarei. Não estou com isso fazendo nenhum acordo ou aliança para governar", explicou Marina Silva, em São Paulo. Antes de fazer o anúncio agradeceu "a Deus e ao povo brasileiro".

"Prefiro ser criticada lutando por aquilo que acredito ser o melhor para o Brasil, do que me tornar prisioneira do labirinto da defesa do meu interesse próprio, onde todos os caminhos e portas que percorresse e passasse, só me levariam ao abismo de meus interesses pessoais", afirmou Marina.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.