Sobrinha de Dhlakama diz que tio perdeu controlo sobre os seus homens

O líder da oposição moçambicana, Afonso Dhlakama, perdeu o controlo sobre os seus homens armados, depois do assalto pelo exército à sua base no centro do país, disse à Lusa Ivone Soares, deputada da Renamo e sobrinha do dirigente.

A Resistência Nacional de Moçambique (Renamo), principal partido da oposição, disse hoje em Maputo que a residência de Afonso Dhlakama, numa antiga base militar do movimento, foi "tomada" pelo exército moçambicano, mas o seu líder está de "boa saúde", depois de ter conseguido deixar o local.

O Ministério da Defesa de Moçambique já confirmou a tomada da base, referindo ter sido uma resposta a um ataque de homens armados da Renamo contra forças do governo.

Em declarações à Lusa em Maputo, Ivone Soares disse que o seu tio "perdeu completamente o controlo sobre os seus homens em virtude do ataque à sua base em Sandjunjira"

"Ele está bem de saúde, saiu da base e os seus homens estão dispersos", afirmou Ivone Soares.

O ataque de hoje a Sandjunjira é um sinal do agravamento da tensão político-militar em Moçambique, causada pelo boicote da Renamo à realização de eleições municipais de 20 de novembro, em protesto contra a não inclusão na lei eleitoral do princípio da paridade na composição dos órgãos eleitorais.

A Renamo acusa os órgãos eleitorais moçambicanos de favorecerem a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder, por serem constituídos na base da proporcionalidade parlamentar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.