Protestos são "genuína" expressão da insatisfação popular

O cantor e compositor brasileiro Caetano Veloso escreveu hoje no seu blog um texto de apoio às manifestações que estão a ocorrer no Brasil, considerando os protestos uma demonstração "genuína" da insatisfação da população.

No texto, o músico diz que se identifica com os manifestantes, que ainda não possuem uma definição clara das reclamações, apenas "sentimentos ainda inarticulados" de insatisfação contra os serviços públicos e a ação dos governos como um todo.

"Não é apenas o governo do PMDB [Partido do Movimento Democrático Brasileiro] no estado e na prefeitura, nem o do PT no âmbito federal. É toda uma conjuntura que precisa ouvir dos cidadãos que não há mais aceitação passiva do que quer que seja", afirma Caetano.

O músico, que chegou a viver exilado em Londres durante o Regime Militar no Brasil [1964-1985], recordou as manifestações dos anos 1960 e disse estar "em sintonia" com os manifestantes também da Turquia, Grécia e Espanha.

Caetano criticou ainda a reação do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que "reduziu o movimento à ação de baderneiros e vândalos".

"Acho superficial dizer que esses movimentos são pura ilusão nostálgica de grupos de classe média que sonham com as marchas de que ouviram falar", afirma, considerando que nada impede que os jovens reclamem em nome dos que realmente são afetados com o aumento das tarifas dos transportes públicos.

As manifestações começaram no dia 6 de junho, em São Paulo, com protestos contra o aumento na tarifa do transporte público. Os protestos ganharam peso após areação violenta por parte da polícia, que deteve vários manifestantes e causa feridos, na semana passada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.