PR inaugura ponte sobre o Rio Catumbela

O Presidente da República de Angola, José Eduardo dos Santos, inaugurou hoje a nova ponte sobre o Rio Catumbela, construída pelo consórcio Soares da Costa/Mota-Engil, que vai ligar as cidades do Lobito e Benguela.


José Eduardo dos Santos deslocou-se a Benguela para inaugurar a nova infra-estrutura, que teve um custo de 27 milhões de euros.

A inauguração da ponte, baptizada 4 de Abril, alusiva à data da assinatura dos acordos de paz de 2002, após o fim da guerra em Angola, decorreu na presença de milhares de pessoas.

O Presidente angolano não usou da palavra durante a cerimónia.

O director-geral do Instituto Nacional de Estradas de Angola (INEA) informou que a ponte 4 de Abril tem um comprimento de 438 metros, englobando dois viadutos de acesso e a plataforma sobre o rio, com 170 metros, contando ainda com duas faixas de rodagem em cada direcção e um passadiço para peões.

Joaquim Sebastião considerou a obra como "de grande importância na rede fundamental de estradas do país" porque permite a ligação sem entraves entre várias províncias do país, como sejam Luanda, Benguela, Huambo e ainda as do sul, como Huila e Namibe.

A conclusão da empreitada, que se realiza sobre o rio Catumbela era há vários anos esperada e vai facilitar o tráfego rodoviário entre Benguela e Lobito e tinha a sua inauguração prevista para 01 de Julho, altura em que ficou concluída.

A construção da ponte teve início em Maio de 2007, envolvendo uma mão-de-obra de 400 trabalhadores entre angolanos e estrangeiros.

Em declarações aos jornalistas, Rita Monteiro, do Instituto de Soldadura e Qualidade de Portugal, entidade fiscalizadora da obra, considerou que foram cumpridas todas as etapas de construção previstas com a qualidade exigida.

Para testar a segurança da ponte, a empresa procedeu à colocação de 18 camiões, com 30 toneladas cada um, em cima da estrutura.

Para Luís Parreirão, administrador da construtora Mota/Engil, a conclusão da ponte constitui um "marco histórico" para as duas empresas portuguesas.

"É um grande orgulho para todos nós", sublinhou Parreirão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.