Polícia liberta os 230 manifestantes detidos no sábado

A polícia brasileira libertou hoje os 230 manifestantes detidos no sábado, em São Paulo, no decorrer de um protesto contra a organização do Mundial de Futebol 2014, anunciaram hoje fontes oficiais.

Esta foi a maior detenção feita durante uma única manifestação, desde que em junho de 2013 começou a onda de protestos por todo o Brasil, que, na sua grande maioria, tiveram como objetivo contestar o aumento dos transportes públicos.

A manifestação, convocada pela internet, contou com a presença de movimentos sociais, partidos políticos e participantes independentes, e pretendia criticar tanto os gastos públicos com o campeonato mundial de futebol como a falta de obras estruturais que ficarão como legado para o país.

Durante a manifestação registaram-se alguns distúrbios, depois de alguns manifestantes terem partido as montras de lojas e agências bancárias, para além de terem danificado cabines telefónicas e terem entrado em confrontos com a polícia.

Oito pessoas ficaram com ferimentos ligeiros, entre eles cinco polícias, dois manifestantes e um jornalista, segundo uma nota da Polícia Militar.

Para dispersar os manifestantes, a polícia utilizou gaz lacrimogéneo, tendo, de seguida, detido 230 pessoas suspeitas de terem participado em atos de vandalismo que, segundo a Secretaria de Segurança regional, foram libertados durante a madrugada e a manhã de hoje.

A polícia, não explicou, no entanto, quais os motivos para que todos os manifestantes fossem libertados.

A Polícia Militar usou pela primeira vez um batalhão de agentes treinados em artes marciais para controlar os manifestantes sem necessidade de usar armas.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?